quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede: Mari Gonçalves:


Ao seu lado sou menina
Rosa, botão, estrela no céu
À noite solidão
A persistência da memória 
Dali, de lá, cordeiro de nanã

Seta certa no alvo 

Mente ociosa anciã, ansiosa
Estrada de pedras das lutas 
Por guerra e paz 
Flecha fincada no peito
Sangrento 
Lamento de estação a estação 
Menina cabeça de vento
Juízo nos pés 
A correr pela areia da praia e olhar 
Para o céu na persistência,
Inocência maldade de amor
Escarlate cor das lágrimas 
Cor do fluxo,
Cor de meu cuore flechado
Encharcado de idealismo e fantasias 
Onde só o amor habita, mas que o ódio 
De quando em vez visita 
Ritual místico, dançar em teu corpo 
Compor o teu dia, findar a meia noite 
Lua vaga, vazando, vazia
Reencontrar-me mulher somente na poesia

mari,

Nenhum comentário:

Postar um comentário