domingo, 6 de novembro de 2016

Domingo Na Usina: Biografias: Juan Rulfo:



(Sayula, México, 1918 - Cidade do México, 1986) escritor mexicano. Um livro de contos, The Burning Plain (1953), e único romance, Pedro Páramo (1955), Juan Rulfo suficiente para ser reconhecido como um dos grandes mestres da narrativa latino-americana do século XX. Sua obra, tão breve quanto intensa, qualidade ocupa uma posição de referência no âmbito do chamado boom da literatura latino-americana dos anos 60, fenômeno editorial que deu ao mundo o tamanho do novo (e não tão novo, como no Se Rulfo) narradores do continente.

Juan Rulfo cresceu na pequena cidade de San Gabriel, aldeia rural dominado pela superstição e do culto dos mortos, e não sofreu as conseqüências adversas das lutas Cristero em sua família imediata (seu pai foi morto). Esses primeiros anos de sua vida foram para formar parte do universo desolado Juan Rulfo recriado em sua obra breve, mas brilhante.
Em 1934 mudou-se para a Cidade do México, onde trabalhou como oficial de imigração no Ministério do Interior. A partir de 1938, ele começou a viajar algumas regiões em taxas de serviço e suas histórias mais relevantes publicados em revistas literárias. Nos quinze histórias que compõem The Burning Plain (1953), Juan Rulfo deu uma primeira sublimação literária, através de uma prosa sucinta e expressiva, a realidade dos camponeses de suas terras, em histórias que transcendiam anedota sociais puro.
Em sua obra mais famosa, Pedro Páramo (1955), Rulfo deu lugar a um mecanismo mais sofisticado que a internalização da realidade de seu país, em um universo onde coabitam o misterioso eo real; o resultado é um texto profundamente perturbador que tenha sido julgado como um dos melhores romances da literatura contemporânea.
O protagonista do romance, Juan Preciado, atinge a vila de Comala fantasmagórica à procura de seu pai, Pedro Páramo, quem sabe. As vozes das pessoas que você fala e reconstruir o passado da cidade e seu cacique, o temível Pedro Paramo; Preciado leva a ver que, na verdade, todos os aldeões morreram, e morreu também, mas a novela continua, com novos monólogos e diálogos entre mortos, traçando o retrato impressionante de um mundo assolado pela pobreza e degradação moral. Como a Macondo de Gabriel García Márquez, a quente, Estéril Comala se torna o espaço mítico que reflete o desenvolvimento histórico trágico do país, a partir do Porfiriato à Revolução Mexicana.
Do ponto de vista técnico, o romance serve magistralmente inovações em europeus e americanos guerras da literatura (Proust, Faulkner, Joyce), siga em linha 60 Crescimento muitos autores; inicialmente planejado como um relato em primeira pessoa na boca do seu protagonista, ele é atendido imediatamente para a fragmentação do universo narrativo por pontos de vista alternados (com uso freqüente de monólogo interior) e saltos cronológicos. Rulfo também escreveu roteiros de feridas Paloma (1963) e outra excelente novela curta, O Galo de Ouro (1963). Em 1970 ele recebeu o Prêmio Nacional de Literatura do México e, em 1983, o Príncipe das Astúrias das Letras.

fonte de origem:

Nenhum comentário:

Postar um comentário