quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Poesia De Quinta Na Usina: Florbela Espanca: CRAVOS VERMELHOS:



Bocas rubras de chama a palpitar, Onde fostes buscar a cor, o tom, Esse perfume doido a esvoaçar, Esse perfume capitoso e bom?!
Sois volúpias em flor! Ó gargalhadas Doidas de luz, ó almas feitas risos! Donde vem essa cor, ó desvairadas, Lindas flores d´esculturais sorrisos?!
...Bem sei vosso segredo...Um rouxinol Que vos viu nascer, ó flores do mal Disse-me agora: "Uma manhã, o sol,

O sol vermelho e quente como estriga De fogo, o sol do céu de Portugal Beijou a boca a uma rapariga..."

Nenhum comentário:

Postar um comentário