segunda-feira, 17 de abril de 2017

Crônicas De Segunda Na Usina: D'Araujo: Perdas e danos: O peso do contraditório.

Dezembro de 2012, depois de um ano carregado de talvez, finalmente estava pra chegar o ano novo, e com ele novo sonhos, sonhos velhos reciclados, e ai veio 2013 e com ele uma tempestade em fúria, varrendo sonhos e possibilidades, como era a comemoração dos meus cinquenta anos bem vividos por sinal; Bem eu tinha acabado de mudar de endereço com o meu consultório, tudo é novo inclusive as possibilidades; O projeto era finalmente reconstruir minha casa que as águas de Março do ano anterior tinha levado; lançar meu novo livro, que na verdade era imprimir minha alma em versos e prosas. Segundo plano que vinha junto com o primeiro, oficializar minha união com minha amada no mesmo dia, e finalmente viajar pro nordeste para apresentar minha esposa há família: O primeiro semestre passou como um relâmpago, então veio o segundo, viajei pro nordeste sim, mas não foi pelo motivo que eu queria, fui sepultar o que eu tinha de mais precioso no meu viver, pra minha mãe, tinha chegado o seu tempo findo, eu sempre soube que este dia chegaria, mas jamais poderia imaginar a proporção da dor desta perda; Duas semanas depois me separei; Não me pergunte como tudo isso aconteceu, pois não sei, não tive tempo de respirar, então tudo que eu conhecia por purgatório diante dos acontecimentos se transformou em paraíso, parecia o fim: Como eu sempre acreditei naquele velho proverbio Chinês, que diz que no fim sempre da tudo certo, e se não deu certo é porque não é o fim; Parei refleti, e recomecei; Fato; Minha mãe cumpriu sua missão com louvores, então só tenho há agradecer ao criador por me concebido de uma criatura como ela, o tempo que passamos tão distante, foi minha escolha, a quando fazemos escolhas, arcamos com as consequências, bem meus relacionamentos tinham dito tudo que poderia ser dito, realizados tudo que tínhamos que realizarmos e vivido tudo que poderia ser vivido há dois, e como o meu primeiro relacionamento que durou 25 anos, sempre falo valeu cada segundo vivido, tenho convicção que o que faz duas pessoas ficarem juntas e felizes, não é amor, sexo, ou filhos, e sim um projeto de vida em comum. Eu não sei viver há dois pela metade eu sou intenso, então quando a insatisfação ou se resolve ou cada um segue seu caminho; Há o livro, não esse eu fiz, só um, não, escrevi dois, estão prontinhos para ser lançados, mas não quis agregar a minha alma a tanto desencontro junto; Eles saem juntos assim como os desencontros deste ano só que em janeiro. Não saiu nada como eu planejava, mas saiu melhor do que eu esperava isso mesmo, comecei refazer minha casa o mês passado, um projeto de louco, não poderia ser diferente. Bem casar não está nos meus planos da próxima década, pois um coração de 50 anos, não pode se dar ao luxo de tantas cicatrizes; Ainda bem que o criador sempre foi muito generoso comigo e sempre colocou pessoas maravilhosas na minha vida, amigos que no momento da tempestade me conduziram com segurança até o fim dela; "O que seria da minha vida sem esses Anjos e Fadas que me amparam há cada vez que ameaço cair" Planos pra 2014, apenas um, diante tudo que aconteceu na minha vida ressente, fazer cada segundo do meu viver, valer a pena." Aos que me amam, aos que me toleram e aos que me odeiam, um feliz Natal, e que o criador dê a cada um, em dobro tudo aquilo que for do seu merecimento. beijos poéticos a todos.

2 comentários:

  1. Muito legal seu blog. Se quiser visitar o meu ficaria honrada: www.livroinfantil-rosilopes.blogspot.com
    Saudações

    ResponderExcluir
  2. Obrigado querida, e será um prazer conhecer o seu blog;
    E vou tomar a liberdade de coloca-lo na programação da terça na Usina, bjs.

    ResponderExcluir