sexta-feira, 21 de abril de 2017

Sexta Na Usina: Poetas Da Rede: Álvaro Márquez: NO UNO MÁS:


Te dije que en tu vida yo no sería uno más,

que cuando llegara, llegaría para quedarme;

hablas de eternidad en los besos que me das,

de lo mismo hablarás en los que vas a darme.



Porque sé muy bien que cuando me conociste,

breve en tu vida llegaste a creer que yo sería,

eras de las que aseguraba “el amor no existe”

y yo te hice ver de mil maneras que sí existía.


Tu cuerpo era así como un mapa sin caminos
y yo mal dibujante, supe trazar vías en tu piel,
para entrelazar entre laberintos ambos destinos,
era tu corazón un barco y timón me volví en él.

Un error creer efímera en tu vida mi presencia,
otro error pensar que mi amor no dejaría huella;
hoy sabes que tus días están llenos de mi esencia,
y existen las noches que inventé, existe la estrella.

Ésa que yo algún día enamorado prometí bajarte,
porque te juré que complacería todos tus deseos,
la misma que veía mis besos si alcanzaba a besarte
de la cárcel de mi boca huyendo a la tuya como reos.

No, no vine a ti para ser uno más quizá de tantos,
vine para amarte, llenar mi mundo de ti sin prisas;
a dejarte mis “te amo” ¡no me preguntes cuántos!
y a colorear todo mi mundo con tus bellas sonrisas.

Y ya se hizo perenne mi presencia en tu memoria,
hoy son tuyos todos mis mundos y mis universos,
de mi mano, de mi recuerdo se escribirá tu historia
y de un poeta que te amó te hablarán mis versos.

Poema totalmente original de Álvaro Márquez
Nacido en Caracas, Venezuela
Todos los derechos reservados
Publicado el 17/8/2014
Imagen: de Google
Não aquele que mais você disse que em sua vida eu não seria mais um, que quando ele chegou, viria a ficar;
Você fala de eternidade nos beijos que você me dá, de fala em aqueles que vão dar-me.


Porque eu sei muito bem que quando o conheci, breve em sua vida que você passou a acreditar que eu seria, épocas de que eles alegaram "o amor não existe" e eu tenho ver em várias formas de Sim havia.



Seu corpo era bem como um mapa sem estradas e eu próprio artista errada, sabia que rotas de rastreamento em sua pele, para interligar entre labirintos ambos os destinos, seu coração era um barco e o leme, virei-me sobre ele.



Um erro acreditar efêmera em sua vida minha presença, outro erro de pensar que meu amor não marcaria;

Hoje, você sabe que seus dias são preenchidos com minha essência e há noites que eu inventei, aí está a estrela.



Que eu prometi no amor um dia vem para baixo, porque você jurou que isso agradaria a todos os seus desejos, que viu meus beijos se chegou para beijar minha prisão de boca fugindo ao seu como prisioneiros.



Não, não vim para você ser um mais talvez do que muitos, eu vim para amar, encher o meu mundo é vagaroso;

deixar meu "eu" te amo não me pergunte quantos!

e a cor do meu mundo com seus belos sorrisos.



E agora minha presença em sua memória, tornou-se perene hoje são teus todos os meus mundos e meus universos, minha mão, minha memória será gravado em sua história e de um poeta que amava você falar meus versos.



Totalmente original poema de Álvaro Márquez de Caracas, Venezuela-todos os direitos reservados Nacido publicou imagem de 17/08/2014: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário