quinta-feira, 18 de maio de 2017

Poesia De Quinta Na Usina: Machado de Assis; Poema: O SOFÁ:

            Oh! Como é suave os olhos 
            Sinta alegria perto,
            Sobre um sofá reclinado
            Lindos sonhos a sonhar,
           Sentindo de uns lábios d’anjo
           Um medroso murmurar!
           Um sofá! Mais belo símbolo
           Da preguiça outro não há...
           Ai, que belas entrevistas
           Não se dão sobre um sofá,
           E que de beijos ardentes
           Muita boca aí não dá!
           Um sofá! Estas violetas
           Murchas, secas como estão
           Sobre o seu sofá mimoso,
           Cheirosas, vivas então,
           Achei um dia perdidas,
           Perdidas: por que razão!
           Talvez ardente entrevista
           Toda paixão, toda amor
           Fizesse ali esquecê-las...
          Quem não sabe? sem vigor
          Estas flores só recordam
          Um passado encantador!
          Um sofá! Ameno sítio
          Para colher um troféu,
         Para cingir duas frontes
         De amor num místico véu,
         E entre beijos vaporosos
         Da terra fazer um céu!
         Um sofá! Mais belo símbolo
         Da preguiça outro não há...
         Ai, que belas entrevistas
         Não se dão sobre um sofá,
         E que de beijos ardentes
         Muita boca aí não dá!

2 comentários:

  1. Prezado Antonio. sua página traz a esperança de que num futuro próximo as crianças deste nosso Brasil possam conhecer pela literatura os homens que construíram o edifício no qual se apoia a língua portuguesa. Parabéns

    ResponderExcluir
  2. Fico muito grato pelo elogio, obrigado.
    E que o tempo seja testemunho de que enquanto houver uma só alma poética sobre este solo a cultura não morrerá.

    ResponderExcluir