quarta-feira, 31 de maio de 2017

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede: Ana Monteiro: Suplício:


Ai, como eu quero hoje!
Que lambuze o corpo de óleo, 
me massageie a carne, 
me sinta o cio.
Me desarme, 
me ame.

Não!
Não me ame.
Me chame: 
de puta, de gostosa. 
Me sinta a carne fogosa.
De quatro, na cama, no chão. 
Se demore em mim, 
ponha um fim nesse suplício
Me penetre em cada orifício, 
até que eu me acabe em paixão.

By Ana M.

Nenhum comentário:

Postar um comentário