segunda-feira, 12 de junho de 2017

Crônicas De Segunda Na Usina: Masoquismo futebolístico.


      É domingo o sol brilha com aquela intensidade que só um aficionado por futebol consegue enxergar, e para completar o seu time de coração, o seu pobre coração que a muito aprendeu a aguentar sofrimento, pois há dezoito anos que ele não ganha nem jogo de quermesse, com muita reza e propina, chegou novamente à final do campeonato nacional.
Então você não tem outra alternativa se não, a de comprar umas dez caixas de cerveja, uns quinze quilos de carne daquelas que nem abacaxi amacia.
Pois a rapaziadas que você jamais deixaria de convidar para assistir o jogo na sua residência, faz leão africano parecer vegetariano.
Nem preciso comentar a alegria da sua esposa com este acontecimento, porque a casa praticamente se transforma em um campo de batalha, pois na sua doce ingenuidade de torcedor fanático não lhe passa pela cabeça qualquer possibilidade de imaginar que seu querido clube, por sinal o melhor do mundo, na sua visão, claro.
Possa deixar passar esta oportunidade de vencer, afinal o adversário é baba.
A gente sabe que depois do jogo, ganhando ou perdendo, a cerveja e a carne de casa perdem o sabor. Então todos, menos a mulher, claro, vão comemorar ou se lastimar em desculpas que só você ver, bem ali no boteco da esquina.
E ai os restos daquela sangrenta batalha de xingamentos e palavrões, fica a cargo da digníssima esposa que não seria louca de reclamar na frente dos seus dóceis amigos.
Mas dessa vez ele resolveu fazer diferente, pois era um momento muito especial, então despachou a dona da pensão para a casa das amigas afinal mulheres adora secar jogo do time do marido, é a única vingança que elas têm contra aquele adversário invencível.
Assim a retirada dela é estratégica e necessária para o território ficar livre para todos.
Ele não pode correr o risco de ser achocalhado pelos amigos com aquelas indiretas infame de uma mulher insatisfeita, mesmo porque eu não sei o que leva o homem achar que quem manda em casa é ele.
Finalmente a arena esta montada a cerveja nem precisa ta gelada, a carne mal esquenta já tem alguém rasgando ela no dente, como se estivesse com uma fome de antes de ontem.
O jogo começa assim como a tensão só aumenta a carne desses de goela a baixo feito quiabo, que nem nos dentes tocam.
O seu time precisa da vitória, o primeiro tempo termina no zero a zero, não tem problema ali foi só pra aquecer, no segundo tempo ele vai da uma sacolada de gols no pobre coitado do adversário.
Começa o segundo tempo e a cerveja nem passa mais pela geladeira antes de beber,
Bem, a partir daí o negro nem olha mais para a churrasqueira, porque meu amigo, carne mau passada e cerveja quente fazem uma pressão no estomago que nem avestruz agüenta.
Depois de noventa minutos de desespero já nos acréscimos para ser mais exatos aos quarenta e seis do segundo tempo, seu time precisando ganhar, o juiz marca um pênalti duvidoso contra o seu time, o que leva todos ao desespero.
O atacante corre bate na bola e o goleiro salvador defende que alegria, que nada o juiz mandou voltar à cobrança o goleiro se mexeu da linha.
O atacante corre para a bola e com a escolha certa do canto da trave onde ele chutou a bola, nem mesmo ele saberia que ali naquele momento enterrava o lindo sonho de ser campeão daquele ingênuo e desconhecido torcedor.
Então lá se foram o seu lindo domingo, e pensar que ele antecede a dolorosa e inevitável segunda feira de pura gozação naquele trabalho que já lhe caia como uma tortura permanente.
Bem, o que lhe restava era torcer para aquela carne mal passada e a agora amarga cerveja não lhe cause uma dolorosa congestão.
E quando ele achou que tudo tinha acabado não é que lhe entra porta a dentro a sua querida esposa com aquele olhar sarcástico e o sorriso no canto da boca, de tanta satisfação e muita energia. Sabe-se La o que ela andou conversando com as amigas para estar naquele fogo todo, assim ignorando aquela situação ali estabelecida de repente ela pula encima dele pronta para lhe devorar.
Ainda meio desolado e furioso, ele busca algo que lhe dê motivação, quando ele vira o seu olhar para a TV qual a primeira imagem que ele vê, isso mesmo o juiz dando as suas explicações sobre a marcação do pênalti.
E daquela inanimada criação o individuo com uma mente perturbada pelos acontecimentos, ele logo imagina que aquele desalmado e infame juiz que lhe arrancou o sonho de ser campeão certamente tem uma esposa.
Então ele se veste com a capa dos insensatos e em segundos ele se transforma em um garanhão insaciável, em minutos ele devora a sua querida esposa com a maestria dos que nasceram para o sexo.
Então o seu doce amada em delírios de prazer, e incapaz de imaginar que pensamento povoava o seu amado, ela fica a imaginar porque ele não tem a mesma atitude quando o seu time ganha.
E ao final daquele bailar de corpos em chamas já lhe é impossível esconder o seu sorriso de intensa alegria, pois ali estava a sua doce vingança para aquele insensível que lhe arrancou o titulo.E assim ele segue arrastando suas ilusões de grandeza ao sabor do momento, até que recomece novamente o campeonato.
E a sua doce amada a lhe desejar que seu time nunca venha a ganhar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário