segunda-feira, 3 de julho de 2017

Crônicas De Segunda Na Usina: Ariano Suassuna: O Homem, o Mito a Lenda:

O Planeta terra, a poesia, a literatura, e a dramaturgia, perdeu um dos seus filhos mais ilustres. Perdemos um homem que jogava luz nesta devasta escuridão da subcultura dos imbecilizados, da nossa Pátria amada, um autor que ousou ser ele mesmo, que fez de cada personagem seu, uma extensão da sua simplicidade do viver.
Mais sem perder a voracidade do conhecimento nem a capacidade de espalhar com suas próprias palavras. Cada verbo, cada frase, cada palavra, cada silaba, cada letra, cada vírgula, cada ponto, e cada acento no seu devido lugar.
Um homem comprometido com seus ideais de igualdade aos homens, do direito ao conhecimento e a cultura, seja ele em qualquer parte do mundo que habite.
Um autor capaz de introduzir tanta alma aos seus personagens, que eles se tornavam um ser palpável entre nós. 
Certamente, Ariano Suassuna não será lembrado, pelo intelectual que se transformou com sua vasta obra, em quantidade e qualidade, e sim pelo intelecto do ser que foi, em transformar ditas pequenas coisas caipira e regionalista, pelos abutres literários. Em verdadeiros diamantes de pura beleza cultural popular. 
Um ser capaz de colocar a realidade sertaneja na literatura de uma forma que a própria realidade fica mais fácil de ser entendido, certamente o criador será generoso com a sua simplicidade do viver, e lhe dará o que lhe for de melhor. 
Perdemos um grande homem, um grande autor, uma nobre alma, mais certamente os sarais celestiais ficaram bem mais ricos em conteúdo e alegria, a partir de agora.
Ariano Suassuna. Um mito, uma lenda, um homem que mostrou ao mundo, e principalmente a nós mesmo, que quando queremos somos capazes.
Vai em paz, bravo guerreiro da cultural do meu querido Nordeste.
 Imortal em mim foi desde o dia que li sua primeira obra, inexequível desde o dia que tive o prazer de conhecê-lo pessoalmente.
Minha maior tristeza é por ver mais uma mente pensante silenciar.


Pois cumpriste seu papel com louvores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário