segunda-feira, 17 de julho de 2017

Crônicas de Segunda Na Usina: Feto sem afeto:



Estava eu ali, tentando resistir até o momento certo para o meu existir.
Mas as coisas que ainda nem me pertencia não me davam trégua como se a minha chegada fosse uma afronta a logica.
Mesmo assim ali no conforto caloroso do útero tudo parecia seguro. Como se nada daquele estranho e perverso mundo externo, pudessem eu alcançar.
Mas o mundo lá fora estava pouco se importando com a minha imensa fragilidade.
Infelizmente eu não podia gritar expressar as minhas insatisfações, ou tão pouco pagar o alto preço exigido para a minha chegada.
Compartilhar as dores dos desenganos daquela que fazia o que estava ao seu alcance para me proteger dos descasos deste mundo.
Como posso chegar confiante, como poderei me transformar em um ser justo.
Como ser uma pessoa alegre, quando tudo que recebo é ponta pé de todos os lados.
Se a única canção de ninar nos meus primeiros dias eram o som de fuzil. E aonde foram parar as boas almas que deveriam me receber de braços abertos, e com um imenso sorriso de felicidade em sua face. E em um ato de desespero tudo que eu tenho há minha frente é o lixão.
Até quando vou conseguir evitar em da o troco, diante de tanta injustiça.
No que você acha que eu vou me transformar quando ficar adulto.
Se me negaram tudo que me era de direito, me transformando em mais um refrão de um triste bolero.
Vocês não vão me transformar em letra de Funk, ou em uma batida de protesto de um Rap.  E se preparem, pois a estatística que vou criar vocês não vão gostar. É só aguardar que eu estou chegando. Como podes esperar bondade em meu ser, se destruíram a minha alma.
Pois já cheguei a um caminho sem volta, onde o meu único acalento talvez seja a própria morte.
Então boa sorte.
Enquanto você degustava o seu delicioso caviar com um bom vinho. Eu estava torcendo para que saísse daquela sacola de lixo, algo que saciasse a aquele vazio de vários dias sem comer, claro você não tem culpa, foi deus que quis assim, assim diz o velho refrão do bom vigário ou do bom Pastor. Só não compreendo que deus é esse, mais tudo bem, o santo papa anda dando boas vindas aos pobres, e os santos pastores enviados do divino em seus sermões também idolatram as boas vindas, principalmente dos dez por cento dos ganhos do rebanho que ele jura que os salvará, e até já comprou um helicóptero de alguns milhares de dólares para levar todos de uma forma mais confortável até ao paraíso, pois vai que deus na sua humildade resolve manda-los de segunda classe até lá.
Vamos fingindo ser burros assim evitamos pensar que estão nos fazendo de otários.
Mais tudo bem, eu vou chegar de mansinho e talvez não sobre um para contar a história.
Ai quem sabe as coisas melhoram e quando lá chegarem avisem a esse seu deus, que é só o começo, e quem sabe ele façam vocês voltarem para devolver o dinheiro, ai eu estarei aqui esperando aquele que me faltou pro pão, e pode até me chamar de ladrão, e talvez vocês tenham razão.


FIM

Nenhum comentário:

Postar um comentário