domingo, 9 de julho de 2017

Domingo Na Usina:Biografias: Cristina de Pisano:



 (em francês Christine de Pizan ou Christine de Pisan, Veneza, 11 de setembro de 1363 — Poissy, c. 1430) foi uma poeta e filósofa italiana que viveu na França durante primeira metade do século XIV. Ela era conhecida por criticar a misoginia presente no meio literário da época, predominantemente masculino, e defender o papel vital das mulheres na sociedade. Considerada precursora do feminismo, foi a primeira mulher francesa de letras a viver do seu trabalho.

Vida
O seu pai, Tommaso di Benvenuto Pisano, médico e astrólogo, era também conselheiro da República de Veneza. Em 1368, Carlos V, rei de França, nomeou-o astrólogo, alquimista e físico da corte. Cristina foi educada num ambiente favorável aos seus interesses intelectuais - aprendendo várias línguas, lendo os redescobertos clássicos e os inúmeros manuscritos do arquivo real, tudo dentro do espírito humanista do início do Renascimento.

Em 1379, com 15 anos, casa-se com Etiénne du Castel, secretário e notário real. Desta união resultam três filhos: uma menina (que a partir de 1397 passa a viver no mosteiro de Poissy, como companheira da filha do rei Carlos VI de França, Marie de Valois), um rapaz, chamado de Jean, e uma criança que morreu na infância.

A morte do marido em 1390, deixa Cristina numa delicada situação financeira, devido às dívidas contraídas por ele. Decide, então, dedicar-se às letras, numa tentativa de se sustentar a si e aos filhos. As suas primeiras baladas, compiladas em Le livre de cent balladés, chamam a atenção da corte e de alguns ricos mecenas, como João de Berry e o Duque de Orléans.

No entanto, é a disputa com Jean de Meung sobre o seu poema Roman de la Rose ("Romance da Rosa") que estabelece o seu estatuto como escritora. O Roman de la Rose era um dos livros mais populares na França e no resto da Europa no século XIII; representava as mulheres como nada mais que sedutoras, numa mordaz sátira às convenções do amor cortês. Cristina, nos seus poemas Epistre au dieu d'Amours ("Epístola ao Deus e Dit de la Rose (publicados em 1401 e 1402), pôs em causa o mérito literário do poema, criticando os termos vulgares usados para descrever as mulheres, objectando que tal linguagem não era usada por damas nobres e servia apenas para denegrir a função natural e própria da sexualidade feminina. O debate foi extenso, e, devido à participação da escritora, centrado na representação e tratamento das mulheres nos textos literários, ao invés de no talento literário de Meung. Estabeleceu-se assim a reputação de Christine como intelectual capaz de apoiar a sua causa, com argumentos lógicos e bem fundamentados. A sua obstinação e coragem conquistaram a admiração e apoio de alguns dos grandes pensadores da época, como Jean de Gerson e Eustache Deschamps.

Nos seus restantes trabalhos, nunca deixou de defender a importância das mulheres, e das suas contribuições para a sociedade, ou a igualdade dos sexos, e a necessidade de dar uma educação igual tanto a rapazes como a raparigas. Tentou ainda mostrar às mulheres como cultivar qualidades que as ajudem a lutar contra a crescente misoginia.

A sua última obra, Ditié de Jeanne d'Arc, foi escrita no mosteiro de Poissy, para onde se retirou no fim da vida. Nela, celebra o aparecimento de uma líder militar feminina, a também francesa Joana d'Arc, que recompensa todos os esforços das mulheres na defesa do seu sexo.


Desconhece-se a data exacta da sua morte. Ao contrário do que se poderia supôr, esta não ditou o seu esquecimento, pois o interesse pelos seus livros e ideias apenas aumentou.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário