sexta-feira, 21 de julho de 2017

Sexta Na Usina: Poetas da Rede:Jorge Pardini:

                                            



                                             Y…la encontré a ella…pegando a mi hijo…
LOCA REVIRADA! HASTA LASTIMARLO!
Le paré la mano! Le arranqué la vara!…

Y abracé a mi hijo…que aún lloraba!

Pedí explicaciones! Qué es lo que te ha hecho?

Para que le pegues, y lo dañes tanto!

-“Cuidá de ESA COSA! Fijate lo que hizo!

Me rompió el jarrón…El que hay en el living!

Esa porquería…NO QUIERO NI VERLA!
LA PRÓXIMA VEZ…SEGURO… LO MATO!”
Yo me quedé helado…NO PODÍA CREERLO!
LA MUJER QUE AMABA…PEGANDO A MI HIJO!
(Porque… NO ERA SU HIJO, ERA SÓLO MÍO!)
Lo tomé en mis brazos…me lo llevé al auto…
Agarré mis cosas…ME FUI DE LA CASA!
Me miró asombrada, mi mujer de entonces,
Y la desalmada, no entendía nada!
Me gritó al partir…”-VOS SOS UN TARADO!
CÓMO VAS A IRTE? VAS A ABANDONARME? 
Si él tuvo la culpa! Por andar jugando… Y no fijarse en nada!
Y si te vas, no vuelvas! Y váyanse lejos!
NO QUIERO NI VERLOS, AQUÍ EN ESTA CASA!”
Lo abracé a mi hijo, mi hijo del alma…
Y nos fuimos juntos, al rayar el alba…
Le curé los golpes que le había dejado…
Lo llené de mimos…y lloró despacio!
Yo sabía que era, mi hijo del alma,
Mi hijo pequeño…Y me necesitaba!
Y LO QUE NO SUPO ESA DESALMADA…
QUE EL QUE FUERA UN PERRO…FUE UNA CIRCUNSTANCIA!
Jorge Horacio Pardini 2/9/13.- (Derechos de Autor Reservados)
POR QUE DEIXÁ-LO?...FOI INSENSÍVEL! (Bater no meu filho!)

Foi um final de tarde... cheguei do trabalho, cansado e querendo levar alguns companheiros!

Estacionei o carro... e eu ouvi uns gritos!

Tenho pressa, vamos ver o que aconteceu!

E... eu achei ela... furando a meu filho...

TORCIDA LOUCA! TE MACHUCAR!

Eu parei a mão dela! Você puxou a vara!...
E abracei o meu filho... ainda chorando!
Pedi explicações! O que é que fizeste?
Então você bateu nele, e muito prejudicá-lo!
-"Toma conta dessa coisa! Olha o que ele fez!
Me quebrou o vaso...Aquele na sala!
Essa porcaria...NÃO VEJO ISSO!
DA PRÓXIMA VEZ...SEGURO... "LO MATO!"
Eu estava congelado...NÃO PUDE ACREDITAR!
A MULHER QUE AMEI...ADERINDO AO MEU FILHO!
(Porque...) (NÃO ERA SEU FILHO, ERA SÓ MEU!)
Levei-o em meus braços... levei-o para o carro...
Peguei minhas coisas...EU FUI NA CASA!
Ele olhou para mim atônito, minha esposa na época e o coração, não entendi nada!
Chorei de... "-VOS SOS um TARED!"
COMO VOCÊ VAI IR? VOCÊ VAI ME DEIXAR? 
Se ele estava em falta! Por andar a brincar... E não olhe para nada!
E se você é, não volte! E vá embora!
"NÃO QUERO NEM VÊ-LAS, AQUI NESTA CASA!"
Abracei meu filho, a alma do meu filho...
E fomos juntos até o raiar do dia...
Limpar-lhe socos que tinham deixado ele...
Enchi-mimos... e ela chorou lentamente!
Eu sabia que a alma do meu filho, era meu filho mais novo...E eu precisava!
E O QUE NÃO SABIAM TÃO CRUEL...
QUE ELE ERA UM CÃO...FOI UMA CIRCUNSTÂNCIA!
Jorge Horacio Pardini 09/02/13-(author rights reserved)

Nenhum comentário:

Postar um comentário