quinta-feira, 4 de maio de 2017

Pensamento do Dia:

Nada mais confortante que sair da complexa escuridão das possibilidades, para trilhar um caminho que você sabe exatamente aonde ele vai te levar.


Esta e mais de 90 outras frases estão nesta obra:
Para baixar o livro Grátis, é só clicar no link abaixo:

Poesia De quinta Na Usina:Fernando Pessoa: A Palidez do Dia.


A palidez do dia é levemente dourada.
O sol de inverno faz luzir como orvalho as curvas
Dos troncos de ramos Secos.
O frio leve treme.
Desterrado da pátria antiqüíssima da minha
Crença, consolado só por pensar nos deuses,
Aqueço-me trêmulo
A outro sol do que este.
O sol que havia sobre o Parténon e a Acrópole
O que alumiava os passos lentos e graves
De Aristóteles falando.
Mas Epicuro melhor
Me fala, com a sua cariciosa voz terrestre
Tendo para os deuses uma atitude também de deus,
Sereno e vendo a vida

À distância a que está.

Poesia De quinta Na Usina: Machado De Assis: PERGUNTAS SEM RESPOSTA:


Vênus Formosa, Vênus fulgurava
No azul do céu da tarde que morria,
Quando à janela os braços encostava
Pálida Maria.
Ao ver o noivo pela rua umbrosa,
Os longos olhos ávidos enfia,
E fica de repente cor-de-rosa
Pálida Maria.
Correndo vinha no cavalo baio,
Que ela de longe apenas distinguia,
Correndo vinha o noivo, como um raio...
Pálida Maria!
Três dias são, três dias são apenas,
Antes que chegue o suspirado dia,
Em que eles porão termo às longas penas...
Pálida Maria!
De confusa, naquele sobressalto,
Que a presença do amado lhe trazia,
Olhos acesos levantou ao alto
Pálida Maria.
E foi subindo, foi subindo acima
No azul do céu da tarde que morria,
A ver se achava uma sonora rima...
Pálida Maria!
Rima de amor, ou rima de ventura,
As mesmas são na escala da harmonia.
Pousa os olhos em Vênus que fulgura
Pálida Maria.
E o coração, que de prazer lhe bate,
Acha no astro a fraterna melodia
Que à natureza inteira dá rebate...
Pálida Maria!
Maria pensa: "Também tu, decerto,
Esperas ver, neste final do dia,
Um noivo amado que cavalga perto,
Pálida Maria?”
Isto dizendo, súbito escutava
Um estrépito, um grito e vozeria,
E logo a frente em ânsias inclinava
Pálida Maria.
Era o cavalo, rábido, arrastando
Pelas pedras o noivo que morria;
Maria o viu e desmaiou gritando...
Pálida Maria!
Sobem o corpo, vestem-lhe a mortalha,
E a mesma noiva, semimorta e fria,
Sobre ele as folhas do noivado espalha.
Pálida Maria!
Cruzam-se as mãos, na derradeira prece
Muda que o homem para cima envia,
Antes que desça à terra em que apodrece.
Pálida Maria!
Seis homens tomam do caixão fechado
E vão levá-lo à cova que se abria;
Terra e cal e um responso recitado...
Pálida Maria!
Quando, três sóis passados, rutilava
A mesma Vênus, no morrer do dia,
Tristes olhos ao alto levantava
Pálida Maria.
E murmurou: "Tens a expressão do goivo,
Tens a mesma roaz melancolia;
Certamente perdeste o amor e o noivo,
Pálida Maria?”
Vênus, porém, Vênus brilhante e bela,
Que nada ouvia, nada respondia,
Deixa rir ou chorar numa janela

Pálida Maria.

Poesia de quinta Na Usina:Fernando Pessoa : NO LIMIAR


Caía a tarde. Do infeliz à porta,
Onde mofino arbusto aparecia,
De tronco seco e de folhagem morta,
Ele que entrava e Ela que saía
Um instante pararam; um instante
Ela escutou o que Ele lhe dizia;
— “Que fizeste? Teu gesto insinuante
Que lhe ensinou? Que fé lhe entrou no peito
Ao mago som da tua voz amante?
“Quando lhe ia o temporal desfeito
De que raio de sol o mantiveste?
E de que flores lhe forraste o leito?”
Ela, volvendo o olhar brando e celeste,
Disse: “— Varre-lhe a alma desolada,
Que nem um ramo, uma só flor lhe reste!
“Torna-lhe, em vez da paz abençoada,
Uma vida de dor e de miséria,
Uma morte contínua e angustiada.
“Essa é a tua missão torva e funérea.
Eu procurei no lar do infortunado
Dos meus olhos verter-lhe a luz etérea.
“Busquei fazer-lhe um leito semeado
De rosas festivais, onde tivesse
Um sono sem tortura nem cuidado.
“E por que o céu que mais se lhe enegrece,
Tivesse algum reflexo de ventura
Onde o cansado olhar espairecesse,
“Uma réstia de luz suave e pura
Fiz-lhe descer à erma fantasia,
De mel ungi-lhe o cálix da amargura.
“Foi tudo vão, — Foi tudo vã porfia,
A aventura não veio. A tua hora
Chega na hora que termina o dia.
“Entra”. — E o virgíneo rosto que descora
Nas mãos esconde. Nuvens que correram
Cobrem o céu que o sol já mal colora.
Ambos, com um olhar se compreenderam.
Um penetrou no lar com passo ufano;
Outra tomou por um desvio. Eram:
Ela a Esperança, Ele o Desengano.

Poesia De Quinta Na Usina:Machado de Assis: Fascinação.




Tes lèvres, sans parler, me disaient: — Que
je t'aime!
Et ma bouche muette ajoutait: — Je te
crois!
Mme. DESBORDES-VALMORE

A vez primeira que te ouvi dos lábios
Uma singela e doce confissão,
E que travadas nossas mãos, eu pude
Ouvir bater teu casto coração,
Menos senti do que senti na hora
Em que, humilde — curvado ao teu poder,
Minha ventura e minha desventura
Pude, senhora, nos teus olhos ler.
Então, como por vínculo secreto,
Tanto no teu amor me confundi,
Que um sono puro me tomou da vida
E ao teu olhar, senhora, adormeci.
É que os olhos, melhor que os lábios, falam
Verbo sem som, à alma que é de luz
— Ante a fraqueza da palavra humana —
O que há de mais divino o olhar traduz.
Por ti, nessa união íntima e santa,
Como a um toque de graça do Senhor,
Ergui minh'alma que dormiu nas trevas,
E me sagrei na luz do teu amor.
Quando a tua voz puríssima — dos lábios,
De teus lábios já trêmulos correu,
Foi alcançar-me o espírito encantado
Que abrindo as asas demandara o céu.
De tanta embriaguez, de tanto sonho
Que nos resta? Que vida nos ficou?
Uma triste e vivíssima saudade...
Essa ao menos o tempo a não levou.
Mas, se é certo que a baça mão da morte
A outra vida melhor nos levará,
Em Deus, minh'alma adormeceu contigo,

Em Deus, contigo um dia acordará.

Poesia De Quinta Na Usina: D'Araújo:Possuir:


O calor do sussurrar da tua voz ao meu ouvido, 

no frenético bailar de nossos corpos ardentes de prazer.

Aguça a minha voracidade de possuí-la por inteiro.

Então deslizo o meu hálito quente de

desejo, pelos doces caminhos
da minha eterna perdição.




D'Araújo.

Conteúdo do Livro:
Lírios e Promessas.

















Editora: www.perse.com.br

Poesia De Quinta Na Usina: D'Araujo: Corpo Nu:





A luz serena que transpunha pela cortina de renda dourada na janela,
refletia como uma seda naquele belo corpo nu, sobre a cama,
O seu olhar vagava naquele espaço inerte e vazio,
E em seu peito, o calabouço do desejo insaciado.

O perfume do que deveria ter sido,
ainda habitava o hibrido ar do quarto,
que antes esteve quente e intenso,

agora lhe cortava a alma frigida e sem vida.

Poesia De Quinta Na Usina: Cruz e Sousa: SONETO:



À Julieta dos Santos

Dizem que a arte é a clâmide de idéia

A peregrina irradiação celeste,

E d’isso a prova singular já deste

Sorvendo d’ela a divinal sabéia!.

Da “Georgeta” na feliz estréia, Asseverar-nos ainda mais vieste Que és um gênio, que te vais de preste

Tornando o assombro de qualquer platéia!...

Sinto uns transportes fervorosos, ledos Quando nas cenas de sutis enredos

Fulgem-te os olhos co’a expressão dos astros!...

E as turbas mudas, impassíveis, calmas

Sentem mil mundos lhes crescer nas almas...


Vão-te seguindo os luminosos rastros!...

Poesia de Quinta Na Usina: Cruz e Sousa: SONETO:



— Os Trópicos pulando as palmas batem...

Em pé nas ondas — O Equador dá vivas!...

Ao estrídulo solene dos bravos! das platéias,

Prossegues altaneira, oh! ídolo da arte!...

— O sol pára o curso p'ra bem de admirar-te

— O sol, o grande sol, o misto das idéias!...

A velha natureza escreve-te odisséias...

A estrela, a nívea concha, o arbusto... em toda a parte

Retumba a doce orquestra que ousa proclamar-te

Assombro do ideal, em duplas melopéias!

Perpassam vagos sons na harpa do mistério Lá, quando no proscênio te ergues imperando

— Oh! Íbis magistral do mundo azul — sidéreo!

Então da imensidade, audaz vem reboando

De palmas o tufão, veloz, febril, aéreo

Que cai dentro das almas e as vai arrebatando!...

Pensamento do dia:



“Não escrevo no intuito de alcançar ninguém. Meu único propósito é chegar o mais próximo de mim mesmo.”



Esta e mais de 90 outras estão nesta obra.
Para baixar o livro Grátis é só clicar no Link abaixo: