domingo, 14 de maio de 2017

Domingo Na usina: Biografias:Ana Maria Machado:


 (1941) é escritora e jornalista brasileira. Autora de livros infantis, foi a primeira desse gênero, a fazer parte da Academia Brasileira de Letras. Foi eleita para a presidência da Academia, para o biênio 2012/2013.
Ana Maria Machado (1941) nasceu em Santa Tereza, Rio de Janeiro, no dia 24 de dezembro de 1941. Foi aluna do Museu de Arte Moderna. Iniciou a carreira de pintora, participou de exposições individuais e coletivas. Formou-se em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Na mesma universidade, lecionou no curso de Letras.
Abandonou a carreira de pintora para se dedicar aos livros. Nos anos sessenta, foi exilada pelo regime militar, indo morar na Europa. Em Paris, trabalhou na revista Elle. Fez doutorado em Linguística, orientada por Roland Barthes.
De volta ao Brasil, Ana Maria retomou o seu projeto de escrever livros infantis. Em 1977, ganhou o prêmio João de Barro pelo livro "História Meio ao Contrário". Em 1979, fundou a primeira livraria dedicada a livros infantis no Brasil, a Malasartes.
Em 1993, foi hors concours do prêmio da Fundação Nacional do Livro Juvenil. Em 2000, ganhou o prêmio Hans Christian Andersen, considerado o prêmio Nobel de Literatura Infantil Mundial. Em 2001, recebeu o Prêmio Literário Nacional Machado de Assis, na categoria conjunto da obra. Atualmente tem mais de 100 livros publicados.
Ana Maria Machado ocupa a cadeira nº 1 da Academia Brasileira de Letras. Foi eleita presidente para o biênio 2012-2013. Foi a primeira escritora de livros infantis a fazer parte da ABL.

Obras de Ana Maria Machado

A Audácia dessa Mulher, romance
A Jararaca, a Perereca e a Tiririca, infanto juvenil
Abrindo o Caminho, infanto juvenil
Alice e Ulisses, romance
Alguns Medos e Seus Segredos, infanto juvenil
Amigo É Comigo, infanto juvenil
Amigos Secretos, infanto juvenil
Aos Quatro Ventos, romance
Bem do seu Tamanho, infanto juvenil
Bento que Bento é o Frade, infanto juvenil
Bisa Bia, Bisa Bel, novela
Canteiros de Saturno, romance
Conta Corrente, coletânea
De Carta em Carta, infanto juvenil
De Olho nas Pernas, infanto juvenil
Democracia, coletânea
Do Outro Mundo, infanto juvenil
Era Uma Vez Três, infanto juvenil
Esta Força Estranha, biografia
Isso Ninguém Me Tira, infanto juvenil
Menina Bonita do Laço de Fita, infanto juvenil
O Canto da Praça, infanto juvenil
O Domador de Monstros, infanto juvenil
O Gato do Mato e o Cachorro do Morro, infanto juvenil
O Mar Nunca Transborda, romance
O Mistério da Ilha, infanto juvenil
O Que É? infanto juvenil
Para Sempre, romance
Quem Manda Na Minha Boca Sou Eu! infanto juvenil
Raul da Ferrugem Azul, infanto juvenil
Recado do Nome, tese de doutorado
Tropical Sol e Liberdade, romance
Tudo ao Mesmo Tempo Agora, infanto juvenil


Fonte de origem:
http://www.e-biografias.net/ana_maria_machado/

Domingo Na Usina:Biografias:Rachel de Queiroz:

Rachel de Queiroz (1910-2003) foi uma escritora brasileira. A primeira mulher a entrar para a Academia Brasileira de Letras, eleita para a cadeira nº 5, em 1977. Foi também jornalista, romancista, cronista, tradutora e teatróloga. Integrou o quadro de Sócios Efetivos da Academia Cearense de Letras. Seu primeiro romance "O Quinze", ganhou o prêmio da Fundação Graça Aranha. O "Memorial de Maria Moura" foi transformado em minissérie para televisão e apresentado em vários países.
Rachel de Queiroz (1910-2003) nasceu, em Fortaleza, capital do Ceará, em 17 de novembro de 1910. Filha de Daniel de Queiroz Lima e Clotilde Franklin de Queiroz, descendente pelo lado materno da família de José de Alencar. Em 1917, foi para o Rio de Janeiro, junto com a família, que procurava fugir da seca que desde 1915 atingia a região. Mais tarde a romancista iria aproveitar o tema para escrever seu primeiro livro "O Quinze". Pouco tempo depois, seguiram para Belém do Pará, onde passaram dois anos.
De volta à Fortaleza, ingressou no Colégio Imaculada Conceição, diplomando-se professora, em 1925. Estreou no jornalismo em 1927, no Jornal "O Ceará", com o pseudônimo de Rita de Queluz, publicando uma carta ironizando o concurso Rainha dos Estudantes.
Em fins de 1930, com vinte anos apenas, projetava-se na vida literária do país, através da publicação do romance "O Quinze", uma obra de fundo social, profundamente realista na sua dramática exposição da luta secular de um povo contra a miséria e a seca. O livro foi editado em apenas mil exemplares e já mostrava as características que marcariam toda sua obra. A consagração veio com o Prêmio da Fundação Graça Aranha, em 1931.
Em 1932, publicou um novo romance, intitulado "João Miguel". Em 1937, retornou com "Caminho de Pedras". Dois anos depois, conquistou o prêmio da Sociedade Felipe d'Oliveira, com o romance "As Três Marias". No Rio, onde residia desde 1939, colaborou no "Diário de Notícias", na revista "O Cruzeiro" e no "O Jornal".
Rachel de Queiroz publicou mais de duas mil crônicas, que resultou na edição dos livros: "A Donzela e a Moura Torta", "100 Crônicas Escolhidas", "O Brasileiro Perplexo, "O Caçador de Tatu" e "Cenas Brasileiras"
Em 1950, publicou em folhetins, na revista O Cruzeiro, o romance "O Galo de Ouro". Tem duas peças de teatro, "Lampião", escrita em 1953, e "A Beata Maria do Egito", de 1958, laureada com o prêmio de teatro do Instituto Nacional do Livro. No campo da literatura infantil, escreveu o livro "O Menino Mágico", a pedido de Lúcia Benedetti. O livro surgiu, entretanto, das histórias que inventava para os netos.
Rachel de Queiroz traduziu para o português mais de quarenta obras. O presidente da República, Jânio Quadros, a convidou para ocupar o cargo de Ministra da Educação, que foi recusado. Na época, justificando sua decisão, teria dito: "Sou apenas jornalista e gostaria de continuar sendo apenas jornalista."
Foi membro do Conselho Estadual de Cultura do Ceará. Participou da 21ª Sessão da Assembleia Geral da ONU, em 1966, onde serviu como delegada do Brasil, trabalhando especialmente na Comissão dos Direitos do Homem. Foi membro do Conselho Federal de Cultura desde a sua fundação em 1967, até sua extinção em 1989. Foi a primeira mulher a entrar para a Academia Brasileira de Letras, ocupando a cadeira nº 5, em 4 de agosto de 1977. Integrou o quadro de sócios Efetivos da Academia Cearense de Letras. Foi sócia honorária da Academia Sobralense de Estudos e Letras e da Academia Municipalista do Estado do Ceará.
Em 1985, foi inaugurada em Ramat-Gau, Tel Aviv (Israel), a creche "Casa de Rachel de Queiroz", sendo Rachel de Queiroz, a única escritora brasileira a contar com essa honraria naquele País. Colaborou semanalmente no jornal O Povo, de Fortaleza e desde 1988, iniciou colaboração semanal no jornal O Estado de São Paulo e no Diário de Pernambuco.
Rachel de Queiroz faleceu em sua casa no Rio de Janeiro, de um ataque cardíaco, no dia 4 de novembro de 2003.

Obras de Rachel de Queiroz

O Quinze, 1930
João Miguel, 1932
Caminho de Pedras, 1937
As Três Marias, 1939
A Donzela e a Moura Torta, 1948
O Galo de Ouro, 1950, folhetins na revista O Cruzeiro
Lampião, 1953
A Beata Maria do Egito, 1958
100 Crônicas escolhidas, 1958
O Brasileiro Perplexo, 1964
O Caçador de Tatu, 1967
O Menino Mágico, 1969
Dora Doralina, 1975
As Menininhas e Outras Crônicas, 1976
O Jogador de Sinuca e Mais Historinhas, 1980
Cafute e Pena-de-Prata, 1986
Memorial de Maria Moura, 1992
Nosso Ceará, 1997
Tantos Anos, 1998
Três Romances, 1948
Quatro Romances, 1960


Fonte de origem:
http://www.e-biografias.net/rachel_queiroz/

Domingo Na usina: Biografias:Adelaide Carraro:


Adelaide Carraro nasceu em 1936 e morreu aos 56 anos, em 1992, é considerada uma escritora que se dedicou ao erotismo.
Ela teria ficado órfã aos sete anos e foi viver em um orfanato na cidade de Vinhedo em São Paulo.
Seu primeiro texto que chegou ao conhecimento público foi a crônica Mãe, que lhe rendeu um prêmio aos treze anos de idade.
Adelaide Carraro deixou uma obra bastante extensa, com mais de quarenta livros, tendo mais de dois milhões de exemplares vendidos, entre eles O estudante, O Estudante II, O Estudante III, Meu Professor, Meu Herói e Eu e o Governador.

1965 - Falência das elites
1966 - Eu mataria o presidente
1967 - Eu e o governador
1967 - Os padres também amam
1969 - O comitê
1970 - Asco
1972 - Carniça
1972 - A mansão feita de lama
1972 - Escuridão
1973 - Submundo da Sociedade
1975 - O castrado: o homem que alugava seu corpo
1976 - A mãe solteira
1977 - Na hora do sol
1980 - A amante do deputado
1983 - Gosto de de fel
1987 - Socorro: estou morrendo de AIDS

Fonte de origem:
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Domingo Na Usina: Biografias:Carmen de Posadas Mañé:



(Montevideo, Uruguay, 13 de agosto de 1953) es una escritora uruguaya nacionalizada española, residente en España.
Hija de un diplomático y una restauradora es la primogénita de cuatro hermanos, tres niñas y un niño. Vivió en Uruguay hasta los 12 años, donde a causa de la profesión de su padre debió trasladarse a Argentina, España, Inglaterra, donde fue al colegio, y Rusia. Comenzó sus estudios universitarios en la Universidad de Oxford y los abandonó en el primer curso para casarse con Rafael Ruiz de Cueto. De este matrimonio tuvo dos hijas, Sofía (1975) y Jimena (1978). Se casó en segundas nupcias con Mariano Rubio. En 1985 adquirió la doble nacionalidad uruguaya y española. Presentó en 1988 el programa de Televisión Española, Entre líneas.

Comienza su carrera literaria escribiendo literatura infantil y juvenil en 1980 que prosigue hasta 1987. En 1984, su libro El señor Viento Norte ganó el Premio Nacional de Literatura a la mejor edición. Su primer trabajo más allá del género infantil será Escena improbable, en colaboración con Lucrecia King-Hedinger. Escribe guiones de cine y televisión y dos ensayos satíricos: Yuppies, jet set, la movida y otras especies, y un año más tarde saca El síndrome de Rebeca: guía para conjurar fantasmas. Desde este momento, Posadas irá alternando cuento y novela.

En 1991 publica el ensayo ¡Quién te ha visto y quién te ve! y en 1995 la novela Cinco moscas azules. En 1997 escribe la colección de cuentos Nada es lo que parece. Al año siguiente obtiene el Premio Planeta con Pequeñas infamias.

Las muertes de su padre y de su marido en 1999 supusieron un duro golpe personal para la escritora.

En el año 2001 publicó La Bella Otero, que pronto se llevó al cine. En el año 2002, la revista Newsweek destacó a Carmen Posadas como una de las autoras latinoamericanas más destacadas de su generación. Ese mismo año publicó un recopilatorio de artículos, La hernia de Viriato: Recetario para hipocondríacos, escrito en colaboración con su hija Sofía. En 2003 aparece El buen sirviente, y en el año 2004 A la sombra de Lilith, en colaboración con Sophie Courgeon.

En conjunto, sus libros han sido traducidos a 23 idiomas.

Existe una biografía autorizada sobre la autora que se llama Carmen Posadas. Una historia por contar en la que se recogen todos los años de su vida desde su nacimiento hasta la actualidad. Ha sido escrita por el periodista Moisés Ruiz, profesor de la Universidad Europea de Madrid, en la que Carmen Posadas es miembro del Consejo Asesor Universitario. Ésta es la primera vez que la escritora pasa a ser la protagonista de las propias páginas de un libro. En la obra cuenta detalles sobre su vida que hasta ahora eran desconocidos. Fue publicada en febrero de 2007 por la editorial Adhara.

Juego de niños, Planeta, 2006, Literatura, adulterio y una tarjeta Visa Platino (Planeta, 2007), Hoy caviar, mañana sardinas (RBA, 2008, en colaboración con su hermano Gervasio Posadas Mañé), La cinta roja (Espasa, 2008) y El testigo invisible (2013) son sus últimas novelas. Otros galardones son el premio Apeles Mestres de Literatura Infantil en 2004 y en 2008 el Premio de Cultura que otorga la Comunidad de Madrid.

Bibliografía:
Una cesta entre los juncos. 1980. Cuento infantil.
El cazador y el pastor. 1980. Cuento infantil.
El chico de la túnica de colores. 1980. Cuento infantil.
Hacia una tierra desconocida. 1980. Cuento infantil.
El Niño de Belén. 1980. Cuento infantil.
El pastor que llegó a ser Rey. 1980. Cuento infantil.
El señor viento Norte. 1983. Cuento infantil. (Ganadora del Premio Nacional de Literatura al libro mejor editado 1984)
El parque de papel. 1984. Libro de texto.
Escena improbable. 1986. Entrevistas. En colaboración con Lucrecia King-Hedinger.
Kiwi. 1986. Cuento infantil.
Hipo canta. 1987. Cuento infantil.
Yuppies, jet set, la movida y otras especies. 1987. Ensayo.
El síndrome de Rebeca: guía para conjurar fantasma. 1988. Ensayo.
Mi hermano Salvador y otras mentiras. 1990. Cuentos.
El mercader de sueños y otros relatos. 1990. Cuentos.
Una ventana en el ático. 1993. Novela.
Padres, padres. 1993. Ensayo.
María Celeste. 1994. Cuento infantil.
Liliana, bruja urbana. 1995. Cuento infantil.
Cinco moscas azules. 1996. Novela.
Nada es lo que parece. 1997. Cuentos.
Pequeñas infamias. 1998. Novela. (Ganadora del XLVII Premio Planeta 1998)
Encuentro con Cousteau en el polo Sur. 1999. Cuento.
Un veneno llamado amor. 1999. Ensayo.
Tú y yo tan raros como siempre. 1999. Cuento. En el recopilatorio: Hijas y padres.
Dorilda. 2000. Cuento infantil.
La bella Otero. 2001. Novela.
Por el ojo de la cerradura. 2001. Ensayo.
El peinador de ideas. 2002. Cuento.
La hernia de Viriato. 2002. Ensayo. En colaboración con su hija Sofía.
El buen sirviente. 2003. Novela.
Dorilda y Pancho. 2003. Cuento infantil.
A la sombra de Lilith. 2004. Ensayo. En colaboración con Sophie Courgeon.
Elemental, querido Freud. 2005. Cuento. En el recopilatorio: Mujeres en ruta.
Juego de niños. 2006. Novela
Literatura, adulterio y Visa platino. 2007
Hoy caviar, mañana sardinas. 2008. Novela. En colaboración con su hermano Gervasio Posadas
La cinta roja 2008. Novela
Invitación a un asesinato 2010.
El testigo invisible 2013.
Premios
Premio del Ministerio de Cultura al mejor libro infantil editado en el año 1984
Premio Planeta en 1998
Premio Apeles Mestres de Literatura Infantil, 2004.
Premio Sent Sovi de Literatura Gastronómica en el año 2007
Premio Camilo José Cela de periodismo en el año 2011
Premio de Cultura de la Comunidad de Madrid, 2008.
Premio ABC Cultural & Ámbito Cultural, 2011, de manos de sus directores Fernando Rodríguez Lafuente y Ramón Pernas.
Premio Cartagena Novela Histórica en el año 2014
Premio Glauka 2014
Premio Brazier, el Goncourt de Novela Gastronómica Francesa 2014
Carmen Posadas es consejera de la Universidad Europea de Madrid donde se ha creado La Cátedra Carmen Posadas.
Es profesora Honoris Causa de la Universidad de Perú en el año 2010.

Fonte de origem:
 https://es.wikipedia.org/wiki/Carmen_Posadas

Domingo Na Usina: Biografias: Dulce María Espinosa Saviñón:



(Cidade do México, 6 de dezembro de 1985), conhecida artisticamente como Dulce Maria, é uma cantora, escritora, compositora, atriz e modelo mexicana. Ficou conhecida mundialmente por fazer o papel da personagem Roberta Pardo na telenovela adolescente Rebelde em 2004, até 2006. Participou de diferentes grupos musicais, sendo um dos mais importantes o grupo RBD.1 2 3 4 Com o RBD, Dulce María vendeu mais de 30 milhões de álbuns ao redor do mundo, mas o grupo anunciou seu fim em 2008. Dulce partiu então para a carreira solo, assinou contrato com a gravadora Universal Music e em 2010 lançou seu primeiro álbum em solo, intitulado Extranjera. Seu mais novo trabalho é seu segundo álbum de estúdio "Sin Fronteras".
 Nascida na Cidade do México, capital do México, em 6 de dezembro de 1985, Dulce María Espinosa Saviñón é filha mais nova de Blanca Espinosa Saviñón e Fernando Espinosa. Dulce, que tem duas irmãs (Blanca Ireri Espinosa Saviñón, filha mais velha, e Claudia Espinosa Saviñón), é sobrinha-neta da pintora e artista plástica mexicana Frida Kahlo.5
 Carreira
1990 - 2000: Infância e Início de carreira
Aos 5 anos de idade realizou seu primeiro comercial que foi um comercial de chocolate na televisão, depois de que suas irmãs, que já realizavam este tipo de campanhas, recomendaram a sua mãe levar fotos de Dulce María. Era o inicio de uma carreira infantil com mais de cem campanhas publicitárias realizadas por Dulce. Depois de um ano de centenas campanhas, realiza um casting onde é selecionada para atuar em uma novela chamada "El Vuelo del Águila", para depois ser elegida para fazer por dois anos o programa infantil Plaza Sésamo, projeto que lhe deu pela primeria vez a oportunidade de cantar profissionalmente, entrar em um estúdio de gravação e se apaixonar pela música desde muita pouca idade. Seguiu fazendo novelas e comerciais, mas se preparando com aulas de canto, bale, jazz, oficinas de atuação, hawaiano e projeção cênica, para mais tarde entrar ao grupo Kids aonde ganhou prêmios e pisou pela primeira vez em um palco. Embora Dulce María continuava seus estudos, tudo isso levou a convencer que sua verdadeira vocação era a arte.
 Dado o desempenho de Dulce María no grupo Kids e seus resultados, foi chamada para fazer um teste para Jeans, aonde ficou e se uniram rapidamente com todas as integrantes e juntas viajaram a Europa para gravar o álbum "Cuarto Para las Cuatro" e Dulce María escutou pela primeira vez sua voz nas rádios, essa experiência aos 15 anos de idade.
 2003 - 2004: Clase 406
Dulce durante a música "Fui La Niña" na Empezar Desde Cero World Tour em 2008.
Dulce María se sentia "ter algo pendente" dentro da atuação e decide sair do grupo Jeans para aproveitar a primeira proposta para realizar um papel protagonista em telenovelas com "Clase 406", para depois, com o grupo musical deste projeto, ser homenageado por suas altas vendas. Foi neste momento em que Dulce María começou a compor e se visualizou gravando um disco em solitario.
2004 - 2008: RBD
Ao ver seu trabalho em Clase 406, Pedro Damián a convida para realizar provas e oficinas por cerca de dois meses para Rebelde e decide que Dulce María interpretará "Roberta". Produto desse projeto, Dulce María forma parte do projeto musical RBD, o qual se converteu em um fenômeno artístico e social a nível mundial, lotando em seus shows estádios como o Santiago Bernabeu em Madrid e o Maracanã no Rio de Janeiro e se apresentando em outros países que não falavam espanhol.
RBD é composto por Dulce María, Anahí, Maite Perroni, Alfonso Herrera, Christian Chávez e Christopher Uckermann. Junto ao RBD, Dulce grava vários discos, entre eles Rebelde, em 2004, Tour Generación RBD en vivo, Nuestro amor, em 2005 e Celestial, em 2006. Ainda em 2006, lançam outra produção ao vivo: Live in Hollywood e, no mesmo ano, a primeira produção em inglês: Rebels. Já em 2007, lançam Hecho en España, outra produção ao vivo; e Empezar Desde Cero. O grupo torna-se um fenômeno mundial e alcança vários prêmios, entre eles Premios Juventud, "Billboard Latin Music Awards", "Premios Lo Nuestro", "Premios Oye", "Orgullosamente Latino" e outros mais. Com o RBD, Dulce consegue diversos discos de platina e de ouro e realiza turnês em vários lugares do mundo, sendo um dos acontecimentos mais importantes da música mexicana das últimas décadas. Dulce María conhece mais de 23 países, canta em mais de 116 cidades, vende mais de 15 milhões de discos, 4 milhões de DVD's, além dos 17 milhões de downloads na Internet, sem contar sua versão da famosa boneca Barbie.
Em 2007, o sexteto apresenta a série RBD: La Familia, que trata de mostrar como o grupo é na vida real, com situações parecidas com a vida que levam, para que os fãs tenham uma ideia de como é o RBD atrás dos bastidores, não se trata de um reality show, tudo o que ocorre na série é ficção. Dulce foi responsavél pelo tema oficial da série: "Quiero Poder". Junto ao RBD, faz uma participação especial em Lola... Érase Una Vez!.
Ainda em 2008, faz sua estreia solo em um dueto realizado com o cantor Tiziano Ferro e Anahí na canção "El Regalo Más Grande", alcançando o segundo lugar na parada italiana. A canção faz parte do álbum de Tiziano Ferro. Em 15 de agosto de 2008, após quatro anos de êxito, o grupo RBD anuncia sua separação e realiza uma turnê mundial de despedida chamada Tour del Adiós, que passa por toda América Latina e Europa.6 . No ano seguinte lançam, então, o último álbum de estúdio Para Olvidarte De Mí e o DVD Tournée do Adeus, marcando para sempre a tragetória do maior grupo pop mexicano das últimas décadas.
Depois desse sucesso na carreira de Dulce María, decide fazer uma carreira solo, aonde pode se envolver com o conceito, a composição, a seleção dos músicos, escolher seu figurino, o planejamento do show, a arte do disco, as fotos, etc.
2009 - 2011: Verano de Amor e Extranjera
Dulce em 2010.
Em 2009 foi convidada novamente por Pedro Damián para protagonizar a novela Verano de Amor, no papel da protagonista Miranda. Dulce também gravou o tema oficial de abertura da primeira temporada da novela, "El Verano", e logo após o tema da segunda temporada, "Déjame Ser", ambos escritos por Dulce María.
Ainda em 2009, Dulce fez também um dueto com o cantor Akon, com a canção "Beautiful", que foi regravada com Dulce María para a versão Latina.
Em 2010 protagonizou o filme chileno "¿Alguien ha visto a Lupita?" de Gonzalo Justiniano. Na televisão participou da terceira temporada do seriado Mujeres Asesinas, interpretando Eliana, sucesso principalmente no México e Estados Unidos. O episódio ganhou grande repercussão de imprensa, crítica e público porque exibiu um beijo lésbico entre Dulce e Fernanda Castillo. As duas foram muito elogiadas por suas atuações e por aceitarem este desafio. No entanto, ao ser exibido pela Televisa, o capítulo sofreu forte censura e apenas foi disponibilizado sem cortes na internet.
No final de 2010, Dulce lançou "Extranjera: primeira parte" que contém 7 faixas: "Inevitable", "Luna", "No se parece", "Vacaciones", "Ingenua", "El Hechizo" e "Extranjera".
Dulce se apresentando no Teleton México em 2011.
Deu início também em seu projeto "Dulce Amanecer", que trata de uma fundação criada por ela para várias causas, desde crianças carentes, mulheres indígenas, causas ambientalistas e etc. utilizando objetos próprios dela, fazendo rifas para arrecadar fundos visando uma base para a fundação. O projeto tem recebido apoio de fãs e pessoas de diversos países e tem conseguido resultados satisfatórios.
Em 2011, Dulce lançou a segunda parte do disco Extranjera, que conseguiu disco de platina no Brasil.
Ainda em 2011, Dulce deu inicío a sua primeira turnê solo, intitulada "Extranjera On Tour", que passou pelos Estados Unidos, México, Colômbia, Chile, Argentina, Venezuela e encerrando no Brasil.
Com esse primeiro disco foram feitas turnês na América Central e Sul, encerrando com um show exclusivo no México no famoso parque de diversões Six Flags.
Em outubro, Dulce retornou ao Brasil para participar da premiação Meus Prêmios Nick, onde esteve nomeada na categoria "Artista Internacional", na qual saiu ganhadora. Além do prêmio, Dulce recebeu o certificado de Disco de Platina pelo seu primeiro disco "Extranjera" sendo a primeira cantora mexicana a receber esse certificado no Brasil.7
2012: Extranjera On Tour
Em 2012 lançou um Extended play (EP) com cinco canções, entre elas um remix de "Inevitable", com a participação de Juan Magán e uma regravação de "Se Como Duele", original da cantora Karina.
Dulce foi convidada pela Rede Record para fazer uma participação especial de 5 capitulos na versão brasileira de Rebelde, onde interpretou ela mesma.
Ela também Ficou a cargo do tema principal da telenovela juvenil Último Año da MTV, "Es Un Drama".
Ainda em 2012, Dulce María voltou ao Brasil e se despediu oficialmente do seu primeiro trabalho solo, fechando com chave de ouro uma turnê exclusiva em Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo.
2013: Sin Fronteras
Em 2013 anunciou que irá lançar um novo álbum de estúdio cujo o nome, Sin Fronteras, foi escolhido a partir de indicações de seus fãs atráves das redes sociais.
O primeiro single foi lançado no dia 05 de setembro de 2013, intitulado Lágrimas e é um dueto com o cantor Julión Álvarez.
Ainda em 2013, faz uma participação na novela Mentir Para Vivir, como a personagem Joaquina Barragán e também uma participação especial no filme Quiero Ser Fiel, gravado na República Dominicana.
2014 - presente: Sin Fronteras On Tour
Em 2014, mas precisamente em 07 de janeiro, Dulce já começou o ano com pé direito e lança o segundo single do seu segundo CD solo, dessa vez, o single é "Antes Que Ver El Sol" cover do cantor Coti. O lançamento do vídeo-clipe foi em 10 de fevereiro e dessa vez teve uma versão exclusiva para os brasileiros com a participação da cantora Manu Gavassi 8 .

Em 8 de Abril de 2014, foi lançado o álbum Sin Fronteras, segundo álbum de estúdio de Dulce Maria. Logo após o lançamento do álbum, a cantora lançou o terceiro single do CD: O Lo Haces Tu O Lo Hago Yo.
Em 26 de julho de 2014, Dulce deu início a sua segunda turnê solo: Sin Fronteras On Tour para a divulgação do seu segundo trabalho discográfico. A turnê ja passou pela Espanha, México e Brasil e ainda passará pela Argentina e Colômbia.
Campanhas publicitárias
Dulce fez diversos comerciais, tanto sozinha quanto com o RBD, entre eles estão os anúncios para Always, Danoninho, Giraffas, Kinder Bueno, Leche Nido (Leite Ninho) e Vick Vaporub. Na sua adolescência, fez propagandas contra o uso de drogas e contra maus tratos infântis. Junto ao RBD, o principal anunciante era a Pepsi. Atualmente, mantém extensos e importantes contratos com a Cklass, empresa que vende roupas e calçados, com a Freskas Nestlé e Garnier na qual também faz campanhas educativas voltadas para o público jovem.
Compositora
Dulce começou a escrever com apenas 11 anos de idade, compôs sua primeira canção aos 13 anos, mas só teve a oportunidade de gravar as canções profissionalmente quando estava no grupo RBD, a primeira das músicas foi "Quiero Poder", interpretada por ela mesma com participação de Christopher Uckermann, que mais tarde faria parte da trilha sonora de RBD: La Familia, série protagonizada pelo RBD. "Te Daría Todo" foi também gravada junto a banda, mais tarde foi cantada nos shows de sua primeira tour como solista Extranjera on Tour, em algumas cidades ela cantou com a participação especial de sua irmã Blanca.
Em seu último álbum com a banda RBD, Para Olvidarte De Mí, saíram mais duas de suas composições: "Lágrimas Perdidas" e "Más Tuya Que Mía". Sendo a primeira um solo e a segunda cantada juntamente com suas companheiras de grupo, Anahí e Maite Perroni. Também fez composições para trilha sonora da novela Verano de Amor a qual também atuou como protagonista, compôs as músicas "Quiero Mi Vida" e "Déjame Ser", outra de suas composições foi a música "Donde Sale El Sol" que compôs juntamente com Carlos Lara e talvez faria parte de seu primeiro CD, mas Dulce presenteou com a música a jovem cantora mexicana Paulina Goto que gravou a canção. Como solista compôs "Luna", "Inevitable" , "Dicen", "Quien Serás?" e "24/7" para seu disco Extranjera.
Para seu atual disco Sin Fronteras, Dulce María compôs "Yo Sí Queria", "Si Tú Supieras", "Cementerio de Los Corazones Rotos", "Shots de Amor" e seu novo single "O Lo Haces Tú O Lo Hago Yo"9
Escritora
Dulce Amargo
Em 2008, Dulce publicou um livro de poemas escritos pela própria, o qual deu o nome de Dulce Amargo e conta com ilustrações de sua autoria. Dulce conta em suas entrevistas que sempre escreve todos os dias, e que durante suas turnês com o grupo RBD, quando podia, escrevia seus sentimentos e guardava-os, até que um dia lhe bateu a vontade de compartir algumas coisas que escreveu com seus fãs. Um pouco mais de 7 mil pessoas foram ao lançamento da obra, no México, e mais tarde este chegou a outros países - sendo divulgado mundialmente por diversas editoras em mais de um idioma. A avó de Dulce é prima da famosa artista plástica mexicana Frida Kahlo, sendo Dulce sua prima-neta (prima em 3º grau). Dulce pretende lançar o mesmo livro novamente, com um pouco de material.

Em 6 de dezembro de 2014, sete anos após da primeira edição de seu livro Dulce Amargo lançou uma reedição do livro na reconhecida Feria Internacional Del Libro de Guadalajara (FIL). A nova versão apresenta mais poemas e recebeu o subtítulo Recuerdos de una adolescente.
Discografia
 Ver páginas: Discografia de Dulce María e Anexo:Discografia de RBD
Álbuns de estúdio
Ano     Detalhes do Álbum    Singles
2011    Extranjera
Lançamento: 14 de Junho de 2011
Gravadora(s): Universal Music
Formato(s): CD, download digital, LP
"Inevitable"
"Ya No"
"Ingenua"
2014    Sin Fronteras
Lançamento: 8 de Abril de 2014
Gravadora(s): Universal Music
Formato(s): CD, download digital
"Lágrimas""
"Antes Que Ver El Sol"
"O Lo Haces Tú O Lo Hago Yo"
Filmografia
Telenovelas & Seriados
Ano     Título  Personagem    Notas
1994    El Vuelo del Águila   Delfina Ortega de Díaz         
1995    Retrato de Familia      Elvira Preciado          
1997    Infierno en el Paraíso Dariana Valdivia       
1998    Huracán          Rosio Medina
1999    Nunca te Olvidaré      Silvia Requena Ortiz (jovem)
DKDA: Sueños de Juventud Mary Cejitas  
2000    Primer Amor... A Mil Por Hora         Brittany         
2001    Locura de Amor         Ximena          
2002    Clase 406        Marcela Mejia
2004
2005
2006
Rebelde          Roberta Pardo Rey     Prêmio TvyNovelas de Melhor Atuação Juvenil
2007    Lola... Érase Una Vez!           Ela mesma      1 capítulo (participação)
2009    Verano de Amor        Miranda Perea Olmos Prêmio People en Español de Melhor Atriz Juvenil
2012    Miss XV         Ela mesma      1 capítulo (participação)
Rebelde          6 capítulos (participação)
2013    Mentir para vivir‏         Joaquina "Jackie" Barragan
Filmes
Ano     Título  Personagem    Notas
1994    Quimera          Lucía  
1997    Desilusiones    Nina   
Juguito de Ciruela      Julieta Luna   

1999    Inesperado Amor       Lorena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre

Domingo Na Usina; Biografias: Francisco Javier Illán Vivas:


Ha estado casi siempre relacionado con el mundo de la prensa escrita. Ha sido corresponsal de Diario de Murcia y de Diario La Verdad; de 2004 a mayo de 2010 llevó una labor de investigador literario en la sección Acantilados de Papel del semanario digital Vegamediapress.com, del que fue subdirector de enero de 2006 a mayo de 2010. Coordinó la sección de cultura y crítica literaria, tanto en la mencionada edición digital como en las diferentes ediciones en papel y digitales de Vega Media Press, S.L. En 2008 entra al consejo de redacción de la revista literaria Ágora, papeles de arte gramático. En enero de 2010 pasa a codirigir la revista, junto a Fulgencio Martínez. Desde mayo de 2010, coeditor de las publicaciones de la asociación Taller de Arte Gramático. En junio de 2012 es nombrado único director de la revista Ágora, papeles de arte gramático, hasta su cierre en diciembre de 2012.

En noviembre de 2012 funda la revista literaria Acantilados de papel.

Su narrativa está en la línea de los clásicos de la fantasía épica, muy cercano a las aventuras ideadas por Robert E. Howard, pero en el mundo de la mitología mediterránea. En los relatos cortos se confiesa un seguidor de H.P. Lovecraft. Cabe destacar en su creación literaria el viaje desde la poesía amorosa a la social, comprometida con el tiempo que le toca vivir al poeta.

Obras[editar]
Poesía[editar]
Con paso lento, Nausícäa Edición Electrónica, 2003. ISBN 84-96114-34-1
Dulce amargor, Edición del Ayuntamiento de Molina de Segura, 2005. ISBN 84-923788-5-9
Crepusculario, Loto XII- VMPress, 2007. ISBN 978-84-611-9154-3
Témporas, Illán Riquelme Editor JI, 2010. ISBN 978-84-613-8479-2
A mi manera, Ediciones Vitruvio, 2012. ISBN 978-84-940284-4-1
Equipaje ligero, Editorial ADIH, 2015. ISBN 978-84-16111-15-2
Narrativa:
La cólera de Nébulos. Libro I: La Maldición, Nausícäa Edición Electrónica, 2004. ISBN 84-96114-87-2
La cólera de Nébulos. Libro II: El rey de las Esfinges, Loto XII- VMPress, 2008. ISBN 978-84-612-2179-0
La cólera de Nébulos. Libro I: La Maldición, Eldalíe Publicaciones, 2011. ISBN 978-84-937443-9-7
La Isla y otros relatos, Ediciones Irreverentes, 2013. ISBN 978-84-15353-68-3
La cólera de Nébulos. Libro III: La oscuridad infernal, Editorial ADIH, 2014. ISBN 978-84-941218-8-3
Presencia en antologías
Con la pluma a cuestas: catorce escritores desde La Rioja. (Antología de relatos; participa con "La casa de mi madre"), Editorial Dossoles, 2004.ISBN 84-87528-86-4
Cuentos. (Antología de relatos; participa con "La estatua del santo"), Edición del Ayuntamiento de Molina de Segura, 2006. ISBN 84-923788-7-5
II Jornadas de poesía sobre el Segura. (Antología poética; participa con "Vigilias"), Edición del Ayuntamiento de Cieza y la Asociación Cultural Pueblo y Arte, 2007. ISBN 978-84-922888-6-1
Tertuliemos I. (Antología poética; participa con ocho poemas), Edición del Grupo Poético Tertuliemos [Murcia], 2008.Tertuliemos-I
Los martes de Luna Llena. (Antología de relatos y poesía; participa con "Roberto"), Edita Ayuntamiento de Molina de Segura, 2009. ISBN 978-84-936557-1-6
Arde en tus manos. (Antología poética; participa con diez poemas), Edita Asociación Cultural Myrtos, 2009. ISBN 978-84-936839-0-0
República poética. (Antología poética; participa con diez poemas), Edita Grupo poético Tertuliemos Murcia, 2009. ISBN 978-84-613-2393-7
París. Antología. (Antología de relatos sobre París. Participa con "En un hotel de París"), M.A.R. Editor, 2012. ISBN 978-84-939322-0-6
2099. Antología de Ciencia Ficción (Participa con "El secreto de Zeos"), Ediciones Irreverentes, 2012. ISBN 978-84-15353-38-6
Los mejores terrores en relatos (Participa con "Condenado a una muerte efectiva"), M.A.R. Editor, 2012. ISBN 978-84-939322-6-8
Anatomías secretas (Participa con "Licaón en Moncloa"), Editorial Nostrum, 2014. ISBN 978-84-941804-9-1
Relatos fotoeróticos (Participa con "Vendimiar tu piel"), Ediciones Irreverentes, 2014. ISBN 978-84-16107-05-6
Presencia en revistas literarias[editar]
LML- Cuadernillo conmemorativo. (participa con "Condenado"), Edita LML, diciembre 2005.
LML- Cuadernillo conmemorativo. (participa con "Mi tiempo"), Edita LML, febrero 2006. Depósito Legal MU-678-2006
LML- Cuadernillo conmemorativo. (participa con "Cuídalo"), Edita LML, abril 2006. Depósito Legal MU-678-2006
LML- Cuadernillo conmemorativo. (participa con "El secreto"), Edita LML, octubre 2006. Depósito Legal MU-678-2006
LML- Cuadernillo conmemorativo. (participa con "Agonía"), Edita LML, diciembre 2006. Depósito Legal MU-678-2006
CuentaMolina nº 1. (participa con "Vendimiar tu piel"), Edita CuentaMolina, febrero 2007.
Ágora. Papeles de arte gramático nº 12. (participa con "Viento, viento"), Edita Taller de Arte Gramático, junio 2007. ISSN 1575-3239.
Lunas de papel nº 2. (participa con "El ídolo"), Edita Asociación Entresiglos, mayo de 2008. ISSN 1888-2358
MiasMa nº 10. (participa con "La Isla"), Editan Meritxell Genescá y Caleb Ferrer, junio de 2008.
Revista cultural Entrelíneas. (Participa con "Al mar, a la mar") edita Gerardo Cañavate, julio-agosto 2008. Dep Legal MU-379-2007
Ágora. Papeles de arte gramático nº 14 (participa con siete relatos hiperbreves), Edita Taller de Arte Gramático, octubre 2008. ISSN 1575-323

Fonte de origem:
https://es.wikipedia.org/wiki/Francisco_Javier_Ill%C3%A1n_Vivas

Domingo Na Usina; Biografias:Carlos Ruiz Zafón:


 (Barcelona, 25 de Setembro de 1964) é um escritor espanhol que tem vivido em Los Angeles desde 1993, onde ele passou alguns anos escrevendo roteiros enquanto desenvolvia sua carreira como escritor.

Em 1993 ganhou o prêmio Edebé de literatura com seu primeiro romance, O Príncipe da Névoa, que vendeu mais de 150 mil exemplares na Espanha e foi traduzido em vários idiomas. Desde então, publicou quatro romances, sendo que os três primeiros foram dirigidos para um público mais jovem, e intitulam-se de El Palacio de la Medinoche, Las Luces de Semptiembre e Marina.

Nos últimos anos transformou-se numa das maiores revelações literárias com A Sombra do Vento, que foi traduzido em mais de 30 idiomas e publicado em cerca de 45 países, e foi finalista dos prêmios literários espanhóis Fernando Lara 2001 e Llibreter 2002. Em Portugal, essa obra foi premiada com as Correntes d'Escritas, do ano de 2006.

Seu romance O Jogo do Anjo, escrito em 2008, teve mais de um milhão de exemplares vendidos na Espanha.

Atualmente, seu romance mais recente é O Prisioneiro do Céu, continuação de A Sombra do Vento. Os romances A Sombra do Vento, O Jogo do Anjo e O Prisioneiro do Céu, fazem parte de uma trilogia que pode ser lida por qualquer ordem mantendo, mesmo assim, um entendimento claro da obra.

Os trabalhos de Záfon foram publicados em 45 países e foram traduzidos em mais de 30 idiomas. Estes números, colocam Ruiz Zafon como o mais bem sucedido escritor contemporâneo espanhol, junto com Javier Sierra, cujos trabalhos foram publicados em quarenta e dois países, e Juan Gómez-Jurado, cujos trabalhos foram publicados em quarenta e um países.

O autor vive atualmente em Los Angeles, onde escreve roteiros para o cinema e trabalha em um novo romance. Zafón colabora também nos jornais espanhóis La Vanguardia e El País.

O livro A Sombra do Vento já ultrapassou a marca dos 6,5 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo desde o seu lançamento, em 2001.

Obras:
O Príncipe da Névoa
O Palácio da Meia-Noite
Las Luces de Semptiembre
A Sombra do Vento (2001)1
O Jogo do Anjo (2008)2
O Prisioneiro do Céu

Marina (2011)
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Carlos_Ruiz_Zaf%C3%B3n

Domingo Na Usina:Biografias: Baltasar Gracián y Morales




Baltasar Gracián y Morales nasceu em Belmonte de Catalayud, em 1601. Ainda jovem, aos 18 anos, ingressou na Companhia de Jesus e pouco tempo depois, em 1641, já era considerado um pregador de renome.

Com destaque, passou a ser reitor dos colégios Jesuítas de Tarragona e Valência. Além da teologia, foi ligado à literatura e à filosofia, escrevendo seis livros.

Algumas das obras de Baltasar foram sobre a arte da escrita e outras sobre a ética da vida, essas últimas foram publicadas usando um pseudônimo. Quando esses livros sobre ética tiveram sua verdadeira autoria descoberta, Baltasar foi punido com a proibição de publicar seus escritos e a também perdeu a cátedra.

Seu livro mais conhecido, "A Arte da Prudência", é formado por 300 aforismos, através dos quais o autor explana sobre as relações humanas. É um livro que funciona como manual de estratégia para viver bem, levando em consideração a instabilidade do ser humano no campo emocional.

Seu modo de pensar era baseado na realidade dos fatos, pois para Baltasar o ser humano age sempre em busca de seus próprios interesses, sendo impossível prever seus atos. É fundamental, segundo ele, ser precavido diante das circunstâncias, para obter equilíbrio.

Suas obras influenciaram grandes escritores como Schopenhauer, Nietzsche, Voltaire e Jacques Lacan.

Baltasar Gracián faleceu em 1658, em Tarazona.

Acervo: 34 frases e pensamentos de Baltasar Gracián y Morales.

Frases e Pensamentos de Baltasar Gracián y Morales

O desprezo é a forma mais subtil de vingança.
Baltasar Gracián y Morales

Não há maior vingança do que o esquecimento.
Baltasar Gracián y Morales

Não há ninguém mais fácil de enganar do que um homem honesto; muito crê quem nunca mente, e confia muito quem nunca engana.
Baltasar Gracián y Morales

Quem confiou os seus segredos a outra pessoa, fez-se escravo dela.
Baltasar Gracián y Morales

O silêncio é o santuário da prudência.

Baltasar Gracián y Morales

Fonte de origem:
http://pensador.uol.com.br/autor/baltasar_gracian_y_morales/biografia/

Pensamento do Dia:

“A beleza do ser não está no que se vê, e sim no que se sente.”


Esta e mais de 90 outras estão nesta obra.
Para baixar o livro Grátis é só clicar no Link abaixo: