sexta-feira, 22 de junho de 2018

Sexta na Usina: Poetas da Rede: Armindo Loureiro: Lembranças…


Lembro-me tão bem

Dessa nossa paixão

E tu agora meu bem

Não tens a mesma opinião



Vagueias nesse mar estrelado

Duma maneira mui especial

E esqueces-te um bocado

Deste amor que não tem igual



Lembro-me bem dos bons bocados

Que os dois passamos juntos

E agora, vivemos disfarçados

E os dois já parecemos muitos

Quando a tempestade terminar
Eu não sei se andarei por aqui
E se um dia poderei vir a amar
Da mesma forma que já vivi

Vivi contigo uma imensidão
E hoje apenas a posso recordar
Dei de mim toda a paixão
Porque sempre te quis amar

Eras o meu sol, a minha natureza
Raiavas em mim todo o santo dia
Olhava-te e apenas via a tua beleza
Numa natureza onde abundava a alegria

Armindo Loureiro – 23/10/2013






Link para Download do Manual Prático de Bioga;

Sexta na Usina: Poetas da Rede: Carlos L Fonseca: Amo-Te:


Não te amo apenas por este ou aquele motivo, não.

Amo-te por tudo o que tu és 

Amo-te por tudo o que me fazes sentir quando estou contigo,

Amo-te pelo que sinto quando não estou contigo

Amo-te de noite quando em sonhos embarcamos em loucas aventuras,

Percorremos o espaço visitamos planetas distantes

Paramos numa qualquer estrela onde nos amamos rodeados de Luz

Apanhamos boleia de um cometa em louca correria 

Visitamos mares, oceanos, montados num cavalo marinho...

Loucos devaneios de amor

Amo-te por todas as viagens que fazemos nas noites em que estamos juntos

Mil e uma noites de ternura e amor

Entre carícias, beijos, abraços e outros carinhos mil.. 
Amo-te por tudo o que representas
Amo-te, apenas porque te amo...






Link para adquirir o Livro: "Enquanto Deus Dormia."
http://24.233.183.33/cont/login/Index_Piloto.jsp?ID=bv24x7br

Sexta na Usina: Poetas da Rede: Ricardo Mainieri:


 retiro do bolso
um verso valente

não só destemido


verso que vale

e aponta



reinaugura

vontade & voz 



que visualiza a essência



num mundo falso

de flash & glamour



que fala de sal

de suor & de terra

de temas terminais



verso-navalha

transgressivo

agressivo



com a cara das pessoas 

que vemos nas lutas



quase sempre desiguais.










Link para Download do Manual Prático de Bioga;

Sexta Na Usina:Poetas Da Rede: Julio Daniel Mauricio July:


As belas frases do amor são

ditas no silêncio de um

simples olhar,por isso

quando me calo desperto em

ti a sabedoria do amor.





















Link para adquirir o Livro: "Enquanto Deus Dormia."
http://24.233.183.33/cont/login/Index_Piloto.jsp?ID=bv24x7br

Pensamento do Dia:

Para que Asas, se o meu pensar me leva às nuvens.


Para ler ou baixar o livro clique no link:

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Pensamento do Dia:

“No seu dia a dia procure ser dócil, amável e compreensivo. Guarde a sua ira, sua raiva, seus desejos revolutos e perversos apenas pros momentos oportunos.”


Esta e mais de 90 outras estão nesta obra.
Para baixar o livro Grátis é só clicar no Link abaixo:

Poesia De Quinta Na Usina: Luís de Camões:Soneto 068:



Apartava se Nise de Montano, em cuja alma partindo se ficava;
que o pastor na memória a debuxava, por poder sustentar se deste engano.

Pelas praias do Índico Oceano sobre o curvo cajado s'encostava, e os olhos pelas águas alongava, que pouco se doíam de seu dano.

Pois com tamanha mágoa e saudade (dezia) quis deixar me a que eu adoro, por testemunhas tomo Céu e estrelas.


Mas se em vós, ondas, mora piedade, levai também as lágrimas que choro, pois assi me levais a causa delas!

Poesia De Quinta Na Usina: Luís de Camões: Soneto 058:



A Morte, que da vida o nó desata, os nós, que dá o Amor, cortar quisera
na Ausência, que é contr' ele espada fera, e co Tempo, que tudo desbarata.

Duas contrárias, que üma a outra mata, a Morte contra o Amor ajunta e altera: üma é Razão contra a Fortuna austera, outra, contra a Razão, Fortuna ingrata.

Mas mostre a sua imperial potência a Morte em apartar dum corpo a alma, duas num corpo o Amor ajunte e una;


porque assi leve triunfante a palma, Amor da Morte, apesar da Ausência, do Tempo, da Razão e da Fortuna.

Poesia De Quinta Na Usina: Augusto dos Anjos:DEBAIXO DO TAMARINDO:



No tempo de meu Pai, sob estes galhos, Como uma vela fúnebre de cera, Chorei bilhões de vezes com a canseira De inexorabilíssimos trabalhos!

Hoje, esta árvore, de amplos agasalhos, Guarda, como uma caixa derradeira, O passado da Flora Brasileira

E a paleontologia dos Carvalhos!

Quando pararem todos os relógios De minha vida e a voz dos necrológios Gritar nos noticiários que eu morri,


Voltando à pátria da homogeneidade, Abraçada com a própria Eternidade A minha sombra há de ficar aqui!

Poesia De Quinta Na Usina: Machado de Assis: QUANDO ELA FALA:


 She speaks!
O speak again, bright angel!
SHAKESPEARE
Quando ela fala, parece
Que a voz da brisa se cala;
Talvez um anjo emudece
Quando ela fala.
Meu coração dolorido
As suas mágoas exala.
E volta ao gozo perdido
Quando ela fala.
Pudesse eu eternamente,
Ao lado dela, escutá-la,
Ouvir sua alma inocente
Quando ela fala.
Minh'alma, já semimorta,
Conseguira ao céu alçá-la,
Porque o céu abre uma porta

Quando ela fala.








Link para adquirir o Livro: Calabouço contos e outros:
http://24.233.183.33/cont/login/Index_Piloto.jsp?ID=bv24x7br

Poesia de Quinta na Usina: D'Araújo:Se mil vidas...:






Meu coração lateja em prantos, sentindo a falta tua.
Se mil vidas eu tiver, mil vezes vou te amar.
Com a mesma intensidade do primeiro olhar.






















https://www.clubedeautores.com.br/book/218720--Desejos?topic=poesia#.WyZiilVKidt

Poesia de quinta na Usina:: D'Araújo:Flor branca:



 A flor que nasce
A flor que passe
A flor do perfume
A flor do sabor
A flor do laço
A flor do paço
A flor do amor
A flor da dor
A flor da cor
A flor da pele
A flor que revele
Simplesmente a flor, sem cor, sem sabor apenas minha bela flor branca.

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Quarta Na Usina: Poetisas da Rede: Simone à Poesia :PERCEPÇÃO:




Um pensamento me visita
Rouba-me o sossego, percebo

Que nele você está, na mente
Faço as honras, saudações

Convido-o para ficar, 
Coração fica contente por sentir

Da tristeza à alegria
Deu-se o salto do futuro, eu juro:

Se depender de mim, e eu quero
Meu cantinho será teu ninho

Uma regra de conduta, é de praxe,
Se queres mesmo aqui ficar

Deve-se seguir à risca direitinho
Como adubo pra flor gerar a flor

O bom do amor deve você regar
Tanto a flor como a tua amada

Precisa dele com esmero e rigor
Regando doses diárias do teu amor

Aqui agora lhe faço uma promessa:
O amor a nós não irá faltar

Se a boa conduta você tiver
No meu coração seja a ação

Da pequenina à enorme
Da simplicidade dos sentimentos,

Seja você a todos os momentos,
O homem bom, fiel e carinhoso,

Sendo esta, a tua maior qualidade,
A honestidade, pois cansado de sofrer

Meu coração, pobrezinho, ele está.
Ele aposta todas as fichas

Neste grande amor que de ti, veio a flecha
Tal como cupido do amor, conquistando-me

Pouco a pouco, trouxe a mim, felicidade,
O maior sentimento que vela a amizade

O respeito, o carinho nas formas singelas
Das tuas palavras, sem adornos pueris,

Do jeito que eu sempre quis
Fez de você, amor,

O bem maior do bem me quer 
Do bom do amor, escolhi você.

Por: Simone Medeiros
Caldas Novas, 07 Mar. 2015

Quarta Na Usina:Poetisas da Rede: ANA PEREIRA:ANATOMIA:


A noite abre a janela.

Espreita o dia.

Persegue-a até à sombra 
da escuridão.
De olhos fechados,
apagamos a luz.



Trazemos na pele
dos dedos
os segredo carnal.
há a necessidade de enlace.
Aproxima-te.
Deslize dos lábios.
Suspiro:
o breve respirar dos enamorados.
Acelera.

Acaricio-te o rosto.
Busco em ti o gosto
do sangue 
que em mim pulsa.

Através do toque
penetramos no túnel de palavras.
Mergulhamos na água 
da nossa intimidade.
Rodopiamos nos gemidos
húmidos.

Destruímos o limite contínuo.
Beijo suave.
Beijo penetrante.
Beijo curvo.
Despiste certo
no piso escorregadio do prazer.

É essa a anatomia do beijo:
conseguimos deslizar
nas curvas suaves
da nudez do corpo
e da alma,
enquanto sonhamos
com algo palpável.

ANA PEREIRA
almainspiradora.blogspot.pt

Quarta Na Usina: Poetisas da Rede:Vera Lúcia Dal Sasso: QUAL A COR DO PECADO?


O pecado é vibrante

Como o fogo crepitante

Não exige somente uma cor
Só o tempero e o sabor
Tem a cor da pele
Que te atrai e nunca te repele
Tem a cor da paixão 
Nesse processo de sedução
Tem inicio, sem tempo para terminar
Quanto mais ele esquentar
Só não o vista de transparente
Mostrando-se indiferente
Pois podes um coração ferir
Se alguém a ti o abrir
Deixe-o multicolorido
Assim jamais estarás arrependido...
Vera Lúcia Dal Sasso @direitos autorais reservados

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede:Isabel Rezmo:DIME ESTE MAR



Dime por qué.

Por qué te has ido.

Por qué tu alma
llegó al roce dormido.



Dime la respuesta
A este gélido mar,
a este sabor maldito.

Dime la forma de morir
en silencio,
cubierto de hambre,
de sinsabor 
perdido.
I.R
Diz-me este mar



Diz-me por que razão.
Por que você você tenha ido.
Por que sua alma
Chegou ao coração adormecido.

Diz-me a resposta
A este insensível mar,
A este sabor maldito.

Diz-me a forma de morrer
Em silêncio,
Coberto de fome,
De sinsabor
Perdido.
I. R

Quarta Na Usina: Poetisas da Rede:Carmen Pedreros Avendaño:Sin el beso final...:


En cuartillas, alas de las ninfas 

¡Tú y yo acuñamos nuestro pacto

entre mares de poesía y caricias!
así te amé, con los versos de mi alma.

Un horizonte de amor espera
la brisa del alba delira de emoción 
cuando dos tórtolas alzan vuelo
entre plumas de oro y suspiros.

En tiempo de plata reinó el querer
el viento susurraba al sentir
dos palomas anidaron su herencia
y en el cielo, la dicha trinó.

La luna de octubre encandilo tu alma 
y en el silencio un palomo durmió 
sin el beso final de la despedida.

¡Compañero de luchas y batallas
extraño tu querer!

Derechos de Autor 
Carmen Pedreros Avendaño 
Perú/Guatemala/17/06/2015


Sem o beijo final...


Em cuartillas, asas das ninfas

Você e eu emitimos o nosso pacto
Entre mares de poesia e caricias!
Assim te amé, com os versos da minha alma.



Um horizonte de amor espera

A brisa do alba delira de emoção
Quando dois tórtolas pegam voo
Entre plumas de ouro e suspiros.



Em tempo de prata reinou o querer

O vento susurraba ao sentir
Duas pombas anidaron sua herança
E no céu, a essa trinó.



A lua de outubro encandilo sua alma

E no silêncio um palomo durmió
Sem o beijo final da despedida.



Companheiro de lutas e batalhas

Estranho seu querer!


Direitos de autor

Carmen pedreros avendaño
Peru / guatemala / 17/06/2015

terça-feira, 19 de junho de 2018

Pensamento do Dia:

“Não existe dor mais perversa, do que a causada pela inevitável decisão de se assassinar e sepultar um verdadeiro amor em seu peito.”


Esta e mais de 90 outras frases estão nesta edição comemorativa.
Para fazer o download grátis do livro basta clicar no link a baixo: