terça-feira, 21 de maio de 2019

Rabiscos do Valter Luis: Cartunista Valter Luis: TODO MUNDO QUER IR PRO Cel., :Walter Limonada:

Walter Limonada Veja a matéria do Jornal completa: Ou pelo meu Blog:http://rabiscosdovalterluis.blogspot.com.br/.../cartunist...


Para quem quiser ler, a matéria que saiu sobre meu livro de quadrinhos, TODO MUNDO QUER IR PRO Cel., no JORNAL DIÁRIO DO GRANDE ABC, é só klikar na foto....
Ou leia direto no site do Diário do Grande ABC:http://www.dgabc.com.br/N…/1590379/livro-para-rir-e-refletir

Terça Na Usina: Blogs De Outros Autores e Autoras Da Rede:Letras de Cojedes (lectura-didáctica - textos): Concursos Literarios Internacionales (Boletín mes ...


LITERATURA INFANTIL Y JUVENIL EDICIÓN 2014   El Premio Nacional y Latinoamericano de ...

Terça Na Usina: blogs De outros Autores e Autoras Da Rede::elseptyimo cielo en los ojos : PURA CREACIÓN,BELLEZA Y PASIÓN


LILIANA VARELA "Cómo me trata la vida y como yo la trato 
a ella" Hablar de mi resulta un tanto extraño pero en fin, a...

Terça Na Usina: Blogs De Outros Autores e Autoras Da Rede:Sergio Almeida (Jardim):














ESCOLHA O TÍTULO


foram eternos dias a distanciar nossas vidas.
nossos corpos, separados, recriaram seus instintos,
circunspectos, mesclados a um proscênio fosco
atuamos como se nunca houvéssemos nos encontrado,
nos tocado, nos provado, nos revelado,
determinados, sob um céu ordinário.
http://sergioprof.wordpress.com/




segunda-feira, 20 de maio de 2019

Pensamento do Dia:

Só conseguiremos mudar nossa Pátria, no dia que a democracia deixar de ser um movimento classista isolada, e virar uma prática de cada cidadão.


Esta e mais de 90 outras estão nesta obra.
Para baixar o livro Grátis é só clicar no Link abaixo:

clube de autores:Por que um bom livro é uma porta secreta?




 3 de outubro de 2016  clubedeautores         
A infância é surreal. Já comentei isso no post da quarta passada quando me alonguei, talvez mais do que o necessário, sobre como livros permitem que crianças criem mundos de acordo com as suas próprias e pessoalíssimas visões de mundo.


Nessa linha, vale muito conferir a palestra do autor Mac Barnett sobre a escrita que escapa das páginas abrindo todo um caminho para a imaginação:


D'Araujo: A Arte de ser Feliz:



Se ame muito, sorria sempre, ignore aqueles que não te acrescenta nada, 
vá há luta, sonhe, realize, erre muito, pois só não erra quem nunca tentou fazer nada, 
se não ficou como você queria, sonhe novamente realize, erre mas um pouco,
caiu, não importa ninguém aprende à levantar-se se nunca cair, recomece tudo outra vez quantas 
vezes for necessário, peça ajuda reflita, sonhe realize. Ser feliz é fácil, construir felicidade tem seu preço, 
não entregue ou agregue nada de importante na sua vida nas mãos de terceiros você é o senhor de si mesmo, não aceite sonhos prontos, construa cada um dos seus. Ame muito, permita-se ser amado, compartilhe com quem ama o que há de melhor em você. Então sonhe, realize, erre, só, nunca pare de sonhar de fazer nem de errar, pois a felicidade é o resultado do exercício do fazer sempre...

Meu Partido é minha Pátria: O Frankenstein Brasileiro:


No decorrer desta semana histórica mais recente da nossa Pátria, o senado brasileiro e agora com as bênçãos do presidente do STF, estão se especializando em criar Frankenstein políticos e jurídicos.
Tendo como único argumento o artigo 152 da constituição federal, processaram e julgaram e caçaram a Dilma, em um daquelas coisas que antes a gente pensava que só acontecesse entre políticos agora com a tutela do presidente do STF, onde se da garantia da lisura do julgamento, o réu é condenado mais não se faz necessário cumprir a pena.
Hora no meu ponto de vista imbecil politicamente falando, porque só um imbecil politico continuaria votando nas legendas que temos por aqui, vimos mais uma vez esse misterioso vírus que atacam nossos políticos e agora também membros da nossa suprema corte, que misteriosamente causam miopia e deficiência auditiva, onde estes tais ilustres senadores sobre o comando do nosso presidente do STF, só conseguiram ler e ouvir todos os argumentos pela metade, sendo assim aplicaram meia pena.
Ela não poderá exercer o cargo de presidente mais continua com todos os seus direitos políticos.
Pior agora eles mesmo vão tentar anular a meia burrice que fizeram, ou meio acordo quem sabe, quem sou eu um pobre mortal querer fazer mal juízo dos mais altos membros da nossa pátria. Mais fico imaginando como o resto mundo vai reagir ao novo termo criado pelos ilustres, de se anular meio julgamento.
Estão transformando o STF, e todo o nosso judiciário em uma casa de comadres.
Mais será que isso levará a uma meia pena para o ilustre inocente Eduardo Cunha.
Caso isso venha a acontecer acho que já está na hora dos homens de bem desta tão lesada Pátria exigir uma auditoria internacional nos três poderes, quem sabe aquela empresa que fez a auditoria nos Bancos Suíços e descobriu os bens que os nazistas tinham roubado dos judeus, consiga com os dados que a lava a jato já possui, a quebra do sigilo, fiscal, bancário e telefônico do primeiro escalão dos três poderes, O legislativo, o executivo e do judiciário.
Para quem sabe assim descobrirmos com quem e onde está espalhado os recursos públicos desfiados, da Petrobrás, do BNDES, do Banco do Brasil e da Caixa Econômica.
Nos Últimos dez anos.

Até quando vamos aceitar pacificamente sermos  tratados como  idiotas imbecilizados pelos nossos nobres representante e os que deveriam defender a nossa constituição, que ultimamente não serve nem de papel higiênico.

D'Araújo.

Síntese sobre a Filosofia do capitalismo:Aqui, ali, lá e cá:



Aqui se faz.
Ali se vende.
Lá se compra.
E cá compartilhamos todos da mesma burrice.

D'Araújo.



Conteúdo da obra: Enquanto Deus Dormia. Edição 2009.
Editora: www.biblioteca24x7.com.br

domingo, 19 de maio de 2019

Domingo Na Usina: Biografias:Barbosa Lima Sobrinho:


Quarto ocupante da Cadeira 6, eleito em 28 de abril de 1937, na sucessão de Goulart de Andrade e recebido em 31 de janeiro de 1938 pelo Acadêmico Múcio Leão. Recebeu os Acadêmicos Antônio Carneiro Leão e José Honório Rodrigues.
Barbosa Lima Sobrinho (Alexandre José B. L. S.), advogado, jornalista, ensaísta, historiador, professor e político, nasceu em Recife, PE, em 22 de janeiro de 1897 e faleceu no Rio de Janeiro, aos 103 anos de idade, no dia 16 de julho de 2000.
Filho de Francisco Cintra Lima e de d. Joana de Jesus Cintra Barbosa Lima, estudou o curso primário na Capital Federal, concluindo-o em Recife. Na mesma cidade, iniciou o secundário no Colégio Salesiano, terminando-o no Instituto Ginasial Pernambucano. Em 1913, matriculou-se na Faculdade de Direito do Recife, onde colou grau de bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais em 1917. Foi adjunto de promotor do Recife, em 1917, e advogado no período imediato ao de sua formatura. Colaborou na imprensa pernambucana, no Diário de Pernambuco, no Jornal Pequeno e, principalmente, no Jornal do Recife, onde escreveu a crônica dos domingos, de outubro de 1919 a abril de 1921. Colaborou ainda na Revista Americana, Revista de Direito, Jornal do Commercio, do Rio de Janeiro, no Correio do Povo, de Porto Alegre, e na Gazeta, de São Paulo.
Mudando-se para o Rio de Janeiro, dedicou-se ao jornalismo. Trabalhou no Jornal do Brasil a partir de abril de 1921, a princípio como noticiarista, mais tarde como redator político e, a partir de 1924, como redator principal. Escreveu, até a data de sua morte, em julho de 2000, um artigo semanal, nesse jornal. Na Associação Brasileira de Imprensa, exerceu a presidência nos períodos de 1926 a 1929; a presidência do Conselho Administrativo de 1974 a 1977; e novamente a presidência em 1978-80 e nos períodos subseqüentes, até o de 1990-92. Foi proclamado Jornalista Emérito pelo Sindicato da categoria de São Paulo.
Eleito deputado federal por Pernambuco para o triênio 1935-37, foi escolhido líder de sua bancada, membro da Comissão de Finanças e relator do Orçamento do Interior e Justiça.
Foi presidente do Instituto do Açúcar e do Álcool, de 1938 a 1945, quando tomou posse da cadeira de deputado federal por Pernambuco, na Assembléia Constituinte de 1946. Na Câmara dos Deputados, em 1946, foi membro da Comissão de Finanças e designado relator do orçamento do Ministério da Guerra. Renunciou à cadeira de deputado em 1948, para assumir, a 14 de fevereiro do mesmo ano, o cargo de governador do Estado de Pernambuco, exercendo o mandato até 31 de janeiro de 1951.
Foi procurador da Prefeitura do Distrito Federal e professor do ensino superior nos cursos de Ciências Sociais e Econômicas. Regeu a cadeira de Política Financeira e, mais tarde, a de História Econômica, na Faculdade de Ciências Econômicas Amaro Cavalcanti, do Estado da Guanabara. Deputado federal por Pernambuco para a legislatura 1959-1963, integrou, nessa Casa do Congresso, a Comissão de Justiça.
Foi sócio benemérito do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e do Instituto dos Advogados do Rio de Janeiro; benemérito da Associação Brasileira de Imprensa e sócio correspondente do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano e do Instituto de Advogados de São Paulo; sócio efetivo da Sociedade de Geografia; sócio honorário do Instituto Histórico de Goiana (PE); presidente de honra do XIV Congresso Nacional de Estudantes; professor honorário da Faculdade de Filosofia da Universidade do Recife; presidente do Pen Clube do Brasil em 1954; membro correspondente da Academia das Ciências de Lisboa; membro do Instituto de Direito Público e da Fundação Getúlio Vargas.
Recebeu a Medalha Quadragésimo Aniversário da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1981); o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal de Pernambuco e o Prêmio Imprensa e Liberdade, conferido pelo Centro Alceu Amoroso Lima para a Liberdade (1984); o Prêmio Governo do Estado do Rio de Janeiro e o título de Cidadão Benemérito da Cidade do Rio de Janeiro (1987); o Prêmio Juca Pato, conferido pela União Brasileira de Escritores; o Prêmio San Tiago Dantas (1989); e a Medalha Tiradentes (1992), conferida pela Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro.
Na Academia Brasileira de Letras, foi secretário-geral em 1952; e presidente em 1953 e 1954; diretor da Revista da Academia em 1955-56, diretor da Biblioteca de 1957 a 1978 e tesoureiro de 1978 a 1993.
fonte de origem:

Domingo Na Usina: Biografias: Antonio Muñoz Molina:


(Ubeda, 1956) escritor espanhol. Ele estudou Jornalismo em Madrid, e graduou-se em História da Arte, em Granada. Ele começou sua carreira literária através da recolha de seus artigos publicados em jornais locais, e reuniu em dois livros intitulados The Robinson urbana (1984) e Journal of Nautilus (1985) ensaios.

Em seguida, ele publicou seu primeiro romance, Beatus Ille (1986), galardoado com o Prémio Ícaro. Neste primeiro romance, expôs os elementos com as suas obras literárias são caracterizados: um interesse na criação de quadros sobre temas atuais para atrair a atenção do leitor, absorvem diferentes técnicas e conduzir experimentos formais com a intenção de melhorar a história e expõem suas obras seu profundo compromisso com um passado histórico, talvez demasiado frequentemente negligenciada.

Seu segundo trabalho, intitulado Inverno em Lisboa, 1987, foi merecedor do National Book Award eo Prêmio da Crítica em 1988; ele foi capaz de criar um argumento atraente pela mistura de diferentes elementos desenhados de cinema negro, com referências de música jazz. Beltenebros (1988) marcou um avanço na história do autor, e ele tem uma grande popularidade depois de ser adaptado como um roteiro . O romance descreve as impressões do Capitão Darman, um exilado político que regressa a Madrid para eliminar um confiante e revive um ano de missão cumprida semelhantes atrás.

Sua carreira literária continuou Umayyad Cordoba (1991) e O Cavaleiro Polonês (1991), que ganhou o Prêmio Planeta em 1991 e 1992 National Narrativa, recebendo o autor no mesmo ano o Prémio Nacional de Tradução. Ele publicou depois de um volume de contos, Nada extravagante (1993), o estudo segurar o look, imagens do Alpujarras (1993) e uma novela, O proprietário do segredo (1994), que descreve uma conspiração contra o General Franco.

Em 1995 ele publicou guerreiro Queimar, história crítica centrada em suas experiências durante o serviço militar. No mesmo ano ele foi eleito para a Real Academia Espanhola. Lua cheia apareceu em 1997, considerado pela crítica como sua obra mais madura. É um conto de intriga onde o crime é apenas uma desculpa para caracterizar, de forma ambivalente, a uma série de caracteres.


Outros trabalhos incluem Pure Joy (1998), um ensaio que inclui seu discurso de posse na Academia Real e palestras sobre criação literária, Traços de poucas palavras (1999), Carlota Fainberg (1999) e Na ausência de White (2000). Sefarad publicada mais tarde (2001), The Unfinished Life (2002), Windows Manhattan (2004) e The Wind of the Moon (2006).

fonte de origem:

Domingo Na usina: Biografias: Alejo Carpentier:



(Havana, 1904 - Paris, 1980) Romancista, contista e ensaísta cubano culminante com a maturidade da narrativa ilha do século XX, além de ser uma das figuras mais proeminentes da literatura norte-americana por sua barroco obras como The Century luzes.

Em sua biografia existem várias lacunas e inconsistências nas informações dadas desigual que está disponível. Segundo o autor, ele nasceu em Havana, fruto do casamento de um arquiteto francês e um pianista russo, e treinados em escolas na França, Áustria, Bélgica e Rússia. Depois de sua morte, no entanto, começou a documentar uma biografia muito diferente que colocou o nascimento do autor, na Suíça, de uma família pobre que emigrou para Cuba se estabelecer na aldeia de Alquízar onde o futuro escritor trabalhou como leiteiro.


Alejo Carpentier
O que é incontestável é que Carpentier iniciou a sua actividade literária em simultâneo com a musicologia, sua outra vocação ao longo da vida na direção dos sinais de revistas, entre 1924 e 1928. Ele também colaborou na fundação da revista Adiante, em 1927. Em 1928 ele foi preso sob a ditadura do G. Machado fugiu e fora da ilha, até que ele voltou para ele, depois de um exílio em Paris quase uma década. Este período foi o seu primeiro trabalho, ECUE-Yamba-O (publicado em 1933, mas, aparentemente, ele escreveu em 1927), um tema preto romance com o qual Carpentier lançou sua carreira de escritor.

Em 1944 ele se mudou para Caracas, onde viveu por vários anos dedicados ao Jornalismo e agir como um professor universitário e colunista em jornais e revistas, durante a realização de uma promoção interessante de música contemporânea. Depois de uma temporada no Haiti, ele voltou a Cuba após a Revolução de Castro e ocupou vários cargos oficiais até que em 1966 ele foi nomeado embaixador em Paris, onde permaneceu até seus últimos dias.

Sua atividade literária, embora iniciado em 1933, não foi continuado até 1944, ano em que foi lançada uma compilação de contos intitulado Journey to the semente. Ele também escreveu antes de seu próximo romance um ensaio intitulado Música em Cuba (1946). Finalmente, em 1949, ele apareceu numa das suas obras literárias mais emblemáticos: O reino deste mundo, um exercício de grande precisão histórica, como será a seguir maioria de suas obras, nas quais Carpentier narrados um episódio do aparecimento da república Preto Haiti. Precisamente no prefácio deste livro, o autor apresentou a tese de que definiu "realismo mágico".

Sua descoberta definitiva como escritor veio porém com os Passos Perdidos (1953) romance em que um musicólogo indiano ocidental que vive em Nova York, casado com uma atriz, é enviado para um país sul-americano com a missão de resgatar e encontrar instrumentos raros.

Na viagem acompanha uma amante francesa, que parece representar a decadência Europeu e ao musicólogo abandonado por uma mulher nativa, através do qual entra em contato com a vida de uma comunidade indígena, onde ele é resgatado e levado de volta para uma cidade civilizada que nunca chega a se adaptar, até que ele retorne para a selva. Uma história abstrato e irreal onde o conhecimento e inteligência do autor com as imagens mais profundas de sua expressão literária mesclagem.

Mais tarde veio Harassment (1956), depois de sua experiência na Venezuela, um curto romance tema entre política e psicológica, onde o círculo de repressão e violência de Cuba antes da revolução de forma justa, na década de 1950, embora Não era um romance documentário neste trabalho episódios ocorrem em conjunto com os quarenta e seis minutos que a interpretação da Sinfonia Eroica de Beethoven.

Ele seguiu a Guerra do Tempo (1958) de volume, onde o autor reuniu três histórias que envolveu tantas variações ao longo do tempo em uma atmosfera passado. Caminho de Santiago, um remake do Journey to the sementes e semelhante à noite foram três curtos Carpentier incursões no mundo da fantasia e da ficção, com a irreversibilidade do que aconteceu. Mais tarde, ele voltou para o romance histórico The Age of Enlightenment (1962), situado em França e nos Países Baixos no período da Revolução Francesa.

Neste trabalho, ele narrou as aventuras de um personagem chamado Victor Hugues levando Guadalupe ideologia dos revolucionários franceses e guilhotina. Um romance cativante que confirmou o poder de visuais convocado pelo seu autor, que apresenta personagens e ambientes da história distante e traz o leitor em uma incrível tecido aprisionamento verbal.

Neste famoso romance foi seguido por barroco Concerto (1974), um trabalho curto, onde reconstruída em detalhe minucioso e rigoroso rigor histórico e musicológico, a viagem de um crioulo, no século XVIII Europa, enfatizando a funcionalidade de música em sua narrativa, uma vez que o livro É organizado e estruturado por motivos musicais, e no mesmo ano Razões de Estado, que recria a imagem de tirano esclarecido na versão latino-americana.

Cronologicamente A Sagração da Primavera (1978), um romance em que ele recriou um conjunto história no tempo da Revolução Cubana e como tinha antecipado em breve Os convidados de prata (1973) história narrativa é então colocado. A Sagração da Primavera mostra o seu processo de auto-reflexivo sobre revoluções, durante um período a partir do soviética ao Castro, incluindo fatos de Playa Giron, e onde também a Guerra Civil Espanhola e os ecos da II Guerra Mundial aparecer. Finalmente, a harpa ea Sombra (1979), envolveu uma visão desmistificação de Cristóvão Colombo através da história de uma confissão íntima em que o almirante, às portas da morte, decide fazer uma espécie de inventário de suas façanhas e fracos .

Como um todo, a narrativa de Carpentier não foi caracterizado por análise psicológica, dada a vastidão de uma proposta levantada pela diversidade ao invés de real. Por conseguinte, não estava em detalhes excessivos os aspectos da vida individual além arquétipos como o Libertador, o opressor ou vítima. Seu principal objetivo foi, talvez, mudar a perspectiva do leitor, vá para um universo mais amplo, um universo onde a tragédia pessoal está dormente dentro de um conjunto que, apesar de simples, é muito mais amplo e mais profundo.


Recorde-se também seus teóricos, tais como Tientos e diferenças (1964), Literatura e consciência política na América Latina (1969) e títulos Racional (1976), ensaios em um volume publicado postumamente em Havana, precisamente sob o título genérico Teste (1984). Em 1977 foi agraciado com o Prêmio Cervantes.

fonte de origem:

Domingo Na Usina: Biografias: Héctor Abad Faciolince Joaquín:




(Medellin, 1958) é um escritor e jornalista colombiano, mais conhecido por seus livros Angosta, que venceu em Espanha a primeira Casa de América Award para contar histórias inovador no ano de 2000, e em abril de 2005 ele foi conferido em China Award para melhor romance estrangeiro, e esquecendo que iremos, sobre a vida eo assassinato de seu pai Héctor Abad Gómez, que foi premiado com a Casa de América Latina de Portugal pelo livro como o melhor trabalho da América Latina e do Prêmio Wola- Direitos Humanos Duke. Ele também recebeu uma pequena história Prêmio Nacional, um Novel Nacional de Bolsas (1994) e dois prêmios de jornalismo Parecer Simón Bolívar (1998 e 2006).

Biografia
Ele começou a estudar medicina, filosofia e jornalismo em sua cidade de Medellin. Finalmente, ele estudou Línguas e Literaturas Modernas na Universidade de Turim. Ele serviu como um colunista para a revista Semana, até abril de 2008 e de maio daquele ano, ele entrou para a empresa diário El Espectador colunista e consultor editorial.

Faciolince filho de Cecília e Héctor Abad Gómez, médico, professor universitário e defensor dos direitos humanos que foi morto em Medellin, em agosto de 1987. Nascido em Medellín, departamento de Antioquia, Colômbia, era o único homem em uma família com cinco irmãs. Ele começou sua educação primária na escola em Los Alcázares, liderada pelo Opus Dei em Medellin, apesar da oposição de idéias que tiveram seu pai em frente à igreja, ele se matriculou na escola por causa da qualidade de seu estudo. Nesta escola Faciolince inicia no ofício de escrever para criar um critério revista chamada, onde, juntamente com Mauricio García Villegas, publicado comentários críticos de professores, escola e outras questões cotidianas.

Hector Abad em sua infância foi muito influenciado por seu pai, um médico da Universidade de Antioquia, com quem ele se encontrou poeta Porfirio Barba Jacob e Leon de Greiff como seu pai costumava recitar poemas de cor.

Depois de terminar a escola, optar por não entrar na faculdade imediatamente e com o apoio de seu pai viajar juntos para o México, onde você usa seu tempo para ler Em Busca do Tempo Perdido por Proust Quando ele voltou para Medellin, matriculou-se a Pontifícia Universidade Bolivariana onde ele foi expulso por uma coluna publicada no jornal Paredón, criado junto com outros de sua carreira no jornalismo. Embora este evento é aceito na Universidade de Antioquia em onde continua sua carreira, mas devido a constante interrupções e suspensões semestre, decide abandonar a corrida e ir morar com sua namorada em Itália. Durante a sua estada neste país, ler romances e poemas de Idade do Ouro, especialmente Quevedo que se pode ver a influência em seu primeiro romance Assuntos publicados nobre dissoluta, em que Mauricio Velez diz que o trabalho revela um tom picaresco, isso é porque em muitos dos temas é a paródia.

Posteriormente, ele completou seus estudos em Línguas e Literaturas Modernas na Universidade de Turim, Itália, de que se graduou com uma tese premiada no trabalho de Guillermo Cabrera Três Trapped Tigers.

Em sua carreira de escritor, ele ganhou vários prêmios por suas obras como História Curta Nacional Award (1981), em Colômbia, a Novel Nacional de Bolsas (1994) e Simon Bolivar Parecer Journalism Award (1998). Em 2000 ele venceu em Espanha o Primeiro Prêmio Casa de América de narrativa inovadora com o Garbage trabalho (Língua de pano, 2000). E em 2005 ela recebeu na China Prêmio de Melhor Novela Estrangeira do Ano pela Angosta (Editorial Seix Barral, 2004). Esquecendo-se de que seu livro vai ser, ele foi escolhido com o Prêmio de Literatura Casa da América Latina / Banif (Lisboa), atribuído à melhor obra de autor latino-americano publicado em Portugal no ano de 2008 e 2009. Ele foi traduzido para autores italianos como Umberto Eco, Lampedusa e Italo Calvino e publicado numerosas publicações acadêmicas tais ensaios para ambos os lados do Atlântico. Ele também tem participado freqüentemente como orador convidado em eventos literários de vários países diferentes. Junto com o já mencionado, são obras notáveis ​​de sua produção literária, traduzida em várias línguas: Bad Thoughts (Editorial Universidad de Antioquia, 1991), um nobre dissoluta Negócios (Alfaguara, 1994); Tratado para mulheres tristes culinárias (Alfaguara, 1996) Fragmentos de amor furtivo (Alfaguara, 1998) de palavras isoladas (Seix Barral, 2002); Oriente começa no Cairo (Mondadori, 2002) Esquecendo que vamos (Seix Barral, 2005), alvorecer de um marido ( Seix Barral, 2008) e seu mais recente livro traições (Alfaguara, memória 2009). Ele vive em Bogotá, onde ele trabalha como colunista do jornal El Espectador e comentador de rádio Blu.

Carreira [editar]
Tem sido um tradutor, entre outras, as seguintes obras de autores italianos: The Mermaid e Outras Histórias, por Giuseppe Tomasi di Lampedusa, Quid pro quo de Gesualdo Bufalino, Postscript para O Nome da Rosa por Umberto Eco; inúmeras histórias de Italo Calvino, Leonardo Sciascia, Stefano Benni, Natalia Ginzburg, etc.

Ele foi diretor da Universidade de Antioquia revista a partir de 1993 para 1997. Em seu trabalho como editor, publicou o índice geral desta revista, fez traduções, e redesenhou a publicação. Ele também liderou a coleção de Celeste da literatura, Publishing Universidade de Antioquia, e foi diretor do Fundo Editorial da Universidade EAFIT.

Além de ser um companheiro da Academic Exchange Service alemã DAAD em 2007, ele tem sido um orador convidado da Feira do Livro de Frankfurt, na Universidade de Verona, Turim, Florença, Bolonha e Cagliari. Ele participou como convidado de eventos literários em muitos países do mundo, como a Áustria, França, Espanha, Hungria, Estados Unidos, Peru, Venezuela, Equador, Argentina e Costa Rica, entre outros. Ele foi romance júri do Prêmio Casa de las Américas de Cuba. Ele também tem sido prêmios do júri Novel do Ministério da Cultura da Colômbia, Casa de América, em Madrid, a Câmara de Comércio de Medellín e outras competições menores. Hoje faz parte do Conselho de Governadores de Gabriel García Márquez Prêmio de Jornalismo, organizado pela FNPI e entregue todos os anos na última semana de setembro, em Medellín.

Ele tem sido um colunista para as revistas de tricô, Mudança, Malpensante e jornais El Espectador e El Colombiano. É domingo colunista do El Nacional, em Caracas, um jornal venezuelano. Ele publicou ensaios em revistas académicas reconhecidas tipo na Colômbia, Espanha, México, Itália e Grã-Bretanha.

Na sua escrita há inúmeros livros, revistas, documentários e ensaios e teses publicados pelos principais editoras acadêmicas. Há também extensas revisões de seus livros, tanto em castelhano e alemão, italiano, Inglês e Português. Há uma extensa literatura sobre seus escritos, elaborado pelo Professor Augusto Escobar, da Universidade de Antioquia

Poeta
Durante sua juventude, ele escreveu muitos poemas de que só lê a mãe de Fernando Arosemena, o poeta Olga Helena Mattei. No entanto, deixando este gênero literário para se envolver em romance e conto, porque, em suas palavras, "não é o direito de escrever sobre o sexo XX e XXI" e apesar de não praticá-la, se um leitor fanático da poesia Golden Age porque é "... mais perto, mais intenso, mais relaxado, mais ação."

Colunista 
Abad começar a escrever em jornais e revistas da escola, em seguida, na faculdade e depois em jornais como The Spectator e esta experiência se estende ao longo de 15 anos. Neles você pode ver o caráter incisivo na tentativa questões controversas Abad como globalização, religião, corrupção, etc. Como diz Jimenez você pode ver temas em suas colunas, que são :. retórica, questões pessoais, escritor legal, estruturas literárias, fobias, recorrentes ciência, anti-globalização, Medellin e religião Jimenez, C. Hector Abad Faciolince: vida e obra de um Quitapesares. Tese de graduação, Pontificia Universidad Javeriana.

No jornal El Espectador publicou coluna semanal onde seus expõe de forma clara as suas opiniões, assim você pode ver as seções que falam sobre a escrita e gramática no século XXI

Por outro lado, em colaborações em revistas literárias como O Malpensante, o autor expõe sua visão crítica da literatura, do que ele considera um bom escritor e um bom romance. Você pode encontrar artigos como Por que é tão ruim Paulo Coelho, onde pode-se inferir a partir de fragmentos como:

Se Coelho sozinho vende mais livros do que todos os outros escritores brasileiros juntos, este é precisamente porque seus livros são estúpidos e elementar. Se os livros eram profundos, complexo literário, com idéias sérias e bem desenvolvidos, o público não iria comprá-los porque as massas tendem a ser ignorante e tem muito mau gosto.

Para ele, não tente ser um best-seller, mas a criação de personagens complexos como Gaspar Medina na novela Assuntos nobre dissoluta, onde você pode ver a parodying de Medina para ser um cavalheiro e um tempo para ser dissipada. Ou, da mesma forma, expor as questões importantes como em seu romance Limite onde "toma elementos de hoje, como a pobreza, as questões económicas e grupos subversivos, políticos etc., então a realidade colombiana e parodiar eles exageram em futuro não tão distante.

Romancista 
O estilo deste autor foi classificado em muitas categorias e foi ainda disse que muitos de seus romances são incertos de gênero, No entanto, vários autores têm comentado sobre a possível relação entre as suas obras e suas colunas

A relação pode ser dada pelo novelas influências picaresco, como um dissolutos Assuntos nobre, em outras palavras, é a voz do narrador como um crítico, satírico dos temas abordados; e cerca de Jimenez diz: "A fronteira entre o literário eo jornal pode tornar-se distorcido, e de acordo Abad só pode ser visível a partir de duas palavras: a verdade ea realidade"

Assim, a verdade ea realidade tornam-se focos de análise para este autor, é por isso que em uma entrevista com Jimenez diz pensar em dois tipos de leitores para seu trabalho: "Eu tenho dois tipos de leitor em mente , que me odeia e que me ama. Eu acho que tenho alguns leitores acostumados a mim, e eu quero que os leitores quebrar o horizonte de expectativa. Acho que os leitores precisam para lhes dar uma sacudida, você tem que constrangê-los para você manter a leitura e não pense que tudo está dito.

Assim você pode ver que através da verdade (principalmente em suas colunas) e distorções da realidade, Faciolince visa envolver o leitor em uma renovação contínua de interesse no assunto. Quando parece que segue Abad Faciolince dos gêneros literários, o que ele faz é procurá-los para a inovação constante digno do leitor que está interessado em seu estilo de narrativa. Em romances como Angosta de 2000, você pode ver claramente questões como a infidelidade, o ofício da escrita, entre outros tornar visível a unidade entre os temas abordados nas colunas e romances e personagens.

Além disso Hector Abad Faciolince ele foi listado para possíveis novos cânones da literatura latino-americana e Colômbia. Rivera propõe sobre a chamada "geração mutante" composto por autores: Julio Cesar Londoño, Rigoberto Gil Montoya, Santiago Gamboa, Octavio Escobar Giraldo, Philip Potdevin, Héctor Abad Faciolince e Jorge Franco Ramos, onde os fundamentos para remitologização deste grupo são temas universais, revisitar o passado, a hibridação da cultura popular eo urbano, o ideológico ceticismo e ironia crítica, literatura sem pretensões regionais, nacionais ou universais, a morte do autor ea relação do literatura eo homem com as tecnologias virtuais. O Também é importante ver como Escobar faz uma escolha clara de quatro autores que consideraram representante da Colômbia em seu livro Quatro náufragos da palavra, onde a conversa que eles "revelar parte de uma essência de nossa cultura" no novo romance "The Hidden" Faciolince falhar o assunto é incrível e narração pesada, ea família do anjo não suporta o mal tratado o assunto, e escuro Jerico sociedade, é muito mal tratado três narrando a sua falta de terra, fazenda, não contribuem para a literatura, e neste Colômbia sem paz, devemos fazer certas esforços para alcançar a paz e consolidar, e essas histórias está fazendo pouco para conseguir. Teria sido melhor ter permanecido escondida escondida, e então como os manuscritos de muitos perecer no esquecimento.

Referências 
Fora de numerosos ensaios e traduções literárias, ele publicou os seguintes livros de narrativa:

Maus pensamentos. Medellin. Histórias. Editorial Universidad de Antioquia, de 1991.
Assuntos de um nobre dissoluta. Bogota. Romance que conta a história de um milionário, Gaspar Medina, desencantado com todos os que determina sua mudança bem-humorado um secretário belas lembranças: Cunegundes Bonaventura.
Editorial Terceiro Mundo, de 1994.
Editorial Alfaguara, 1999.
Traduzido: a alegria de estar acordado. Cambridge, Brookline Books, 1996.
Culinary tratada para as mulheres tristes. Medellin. Livro de incerto gênero, combinando receitas cozinha false (celacanto, dinossauro carne ou mamute), com receitas reais. O tom é bem-humorado, quase sempre, embora velado por alguns melancolia. É curto, e o mais traduzido para outras línguas.
Editores de Coelacanth, 1996.
Editorial Alfaguara, 1997.
Traduzida em italiano: Sellerio Editore, 1997.
Traduzida em grego: Enalios Editorial
Traduzido para o Português, Editorial Presença.
Traduzido para o alemão, Wagenbach Editorial, Berlim.
Existem também traduções inéditas em Inglês e Holandês.
Fragmentos de amor furtivo. Bogota. Este romance conta a história de dois amantes que estão isolados em casa para contar histórias (como no esquema de The Decameron de Boccaccio), enquanto do lado de fora, em Medellin, furiosa praga da máfia, a violência política e paramilitar. É um romance erótico.
Editorial Alfaguara, 1998.
Tradução em português, Presença, 2001.
Lixo. Madrid. Vencedor do primeiro romance em Espanha Casa de América Award para contar histórias inovador. É, talvez, seu romance mais experimental. Conta a história de um escritor fracassado, Bernardo Davanzati, que supostamente não ter reescrito, mas um dia um do seu próximo, no mesmo edifício, localizado alguns de seus papéis no lixo no porão. A partir desse dia os vizinha intrometida jornais diários encontrados descartados pelo escritor, eo livro é construído com a transcrição e comentário desses fragmentos.
Língua de Pano, de 2000.
Norueguês tradução já terminou e processo de edição.
Únicas palavras. Bogota. É um livro de ensaios curtos, culturais e políticos. Seix Barral, 2002.
Leste começa no Cairo. Barcelona. Viagens crônica. O autor passou dois meses na cidade de Cairo, capital do Egito, e escreveu esta crônica ficcional de sua experiência lá. Grijalbo-Mondadori, 2002.
Estreito. Bogota. Seix Barral-de 2004. Traduzido para o chinês mandarim e premiado como o melhor romance estrangeiro do ano. Pequim, 2005. Há edições argentinos e espanhóis do mesmo romance. Na Colômbia, ele foi reimpresso várias vezes.
Esquecendo que vamos, 2005. Trabalho no qual o autor relata sua relação com o pai Héctor Abad Gómez, experimenta isso, e tenta estender um pouco de memória de seu pai assassinado.
O amanhecer de um marido, de 2008. O alvorecer de um marido é uma descrição honesta, e não menos doloroso, o tédio que é instalado entre duas pessoas depois de anos de convivência.
Traições de memória, 2009. Coleção de três textos inéditos não cruzou pelo fantasma de Borges. O primeiro é a história do poema que o autor encontrou no bolso do seu pai, o dia em que morreu, e que se tornou o título do Esquecimento seremos. Os dois restantes, misturando biografia, histórias e ensaios, está indirectamente ligado, também, com a morte de Hector Abad Gomez. Ele tem uma edição espanhol em Março de 2010.
Alfaguara de 2009
Alfaguara, 2010
Testamento involuntária, 2012. Poesia.

Oculto, 2014. Novela.

fonte de origem: