quarta-feira, 14 de junho de 2017

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede:Nery Ignacia Cubilla LopezSueño:


Quiero volver a deleitarme
de tu deliciosa sonrisa,

Cual centellante brisa explora
mi piel, ésta insólita locura

Amo evocarte y no hallarte
tan distante
Tenerte siempre en mi recuerdo
para amarte

Sueño deshojar tulipanes
en cada pétalo impregnar mis besos

Despeñar por el viento, infundir
mi mirar por tan deliciosa locura

Y, las argentadas chispas
mágico sueño alumbren

Quiero pintar el sueño de tu locura, contemplar tu delirante sonreír
Quiero yacerte en mi pecho, susurrarte al oído la más sublime poesía
Y.. Arrancarte de ese sueño profundo, y volvernos amar, cómo dos Iracundos.

Autora:Nery Ignacia Lopez Cubilla 
Derechos reservado
******* Sueñ o*******


Quero voltar a deleitarme
De sua deliciosa sorriso,

Qual centellante brisa explore
Minha pele, esta insólita loucura

Amo evocarte e não hallarte
Tão distante
Tenerte sempre na minha memória
Para amarte

Sonho deshojar tulipas
Em cada pétala imbuir meus beijos

Despeñar pelo vento, imprimir
O meu olhar por tão deliciosa loucura

E, as argentadas luzes
Mágico sonho alumbren

Quero pintar o sonho de sua loucura, contemplar sua delirante sorrir

Quero yacerte no meu peito, susurrarte ao ouvido a mais sublime poesia
E.. Arrancarte desse sonho profundo, e nos tornarmos amar, como dois exaltados.

Autora:nery Ignacia Cubilla Lopez
Direitos reservados

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede:Suely Sette: Vivendo...


Da suavidade do carinho trocado um dia,
Pousa a doçura que pela vida afora me fez ternura.
Nada do que vive foi em vão
De cada curva dessa estrada
Sai levando na bagagem amada
A parte preciosa que vivi
Viver é arte delicada...

Sorver de cada momento o sabor especial
Viver sem medo do irreal
Guardar nas retinas de hoje, a luz que ontem brilhou
Iluminou, um momento bom...

Viver na dor que existe,
A beleza do momento que ainda persiste,
Adaptar as horas que passam, com o tempo que fica
Guardar da canção de outrora,
A palavra sussurrada ao pé do ouvido...
Do beijo trocado, atrevido
Consentido...

Planar na essência desse tempo
A delicadeza da despedida ,dorida
Viver é silenciar a alegria
Não conter a euforia
E seguir a mesma nota
Aquela que um dia,
Compôs de sua vida a mais doce sinfonia...

Viver é tocar momentos
Não sonegar sentimentos,
Deixar pulsar o coração
Na batida do momento
No compasso da canção...
Alardear que viveu de fato
O aceno derradeiro
Que tem o último ato...

Viveu ,não passou por aqui por passar
Foi intensa ,fez valer seu direito de estar,
Aconteceu em cada cena
Sorriu, chorou,
Foi partícipe de cada estação,
Sem negociar nada
Foi amor e foi amada
Hoje afastando a fuligem da memória
Vê com orgulho
Que soube contar sua história...

Suely Sette 03/07/2015

Direitos preservados...

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede: Natália Canais Nuno: Já tudo foi ontem...






há pássaros ocultos na minha solidão
enrugam meu rosto enquanto
repito palavras aprendidas,
e assim meus versos são
ilusões vividas, felicidade ou
esquecimento da realidade?
fugacidade do tempo
como o fumo duma fábula,
já tudo foi ontem.
na minha mente ensombrada
corre um fogo indolente,
donde saio pinha queimada,
tudo em vão...
e os meus versos o que são?
velhas sabedorias, onde não
se retorna, nem por piedade,
fica o vazio dos meus passos
a solidão obstinada e fria, a saudade
da prisão dos abraços d'algum dia.
assim a noite se desvia entre a sua magia
eu colho sonhos.


Natalia Nuno

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede:Dulce Morais: Esquecidas:



Perderam-se no espaço
Ao céu foram entregues.
Poderosas?
Talvez apenas por serem
Raras em certas mãos.
Saberá o poeta dizer
Se as ama ou as despreza?
Entregues ao vento,
Despojadas do sentido
Que lhes foi dado,
Num impulso impresso.
E voam,
Esquecidas para sempre,
Num gesto de desespero.
Palavras, apenas,
Vazias, talvez,
Ou repletas do ser.



Dulce Morais

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede: Claudiane Ferreira:



Ando meio lobo, lua interna está cheia e o clarão produzido favorece a caçada.

Ando meio lobo, menos bobo. Cuidado! Marcarei território.

Ando meio lobo, menos bobo ... Será?


Claudiane Ferreira

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede:Mari Gonçalves:As águas do rio que corre em mim:


As águas do rio que corre em mim
de dia é maré cheia
a noite doce cachoeira
metamorfoseando o rio
abrigo em meu peito o vazio das várzeas
de um rio em flor
saudades e lembranças espirituais
o rio que corre e leva pra longe
esconde dos olhos o teu rosto
e mata de sede a alma de quem te bebe
sou mar , azul e calmo
sou mar de longas e esverdeadas ondas
as aguas do rio que corre em mim
abrupta das pedras e quedas
e nos encontramos , rio e mar
em dias de festa para festejar
Oxum e Iemanjá , Xangô e Oxalá
nas águas que nos renova
fonte de vida , luz e despedidas
as aguas do rio que corre em mim
secando , vazando virando sertão
ser tão solidão de lua  cheia
iluminando as lágrimas que umedece
a terra seca
as águas do rio que corre em mim
vazou, e eu, oceano inundei teu jardim
e transbordamos de amor que não resistiu
aos artifícios do tempo de Xangô !
“tempo, tempo, tempo, tempo”
pega leve amigo , amigo! 

Mari Gonçalves 

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede: Sil Cari:


Navego por la luz de tus ojos claros, 
me sumerjo lentamente y sin pausa. 
Sé que me esperas en tus brazos. 
Te aprieto con fuerza para que no te esfumes. 
Tu piel siempre caliente me reconforta el alma y el cuerpo. 

Hoy quiero sentirte así, sin demandas.
Autora: Sil Cari
Navego pela luz de seus olhos claros,

Me sumerjo lentamente e sem pausa.
Sei que me esperas em seus braços.
Você vestiário com força para que você não esfumes.
Sua pele sempre quente consola-me a alma e o corpo.
Hoje quero sentirte assim, sem exigências.

Autora: Sil Cari

Fonte de origem: