segunda-feira, 19 de junho de 2017

Crônicas De segunda Na usina:: Machado de Assis: Cherchez la femme:


Quem inventou esta frase, como uma advertência própria a devassar a origem de todos os crimes, era talvez um ruim magistrado, mas, com certeza, excelente filósofo. Como arma policial, a frase não tem valor, ou pouco e restrito; mas aprofundai-a, e vereis tudo que ela abrange; vereis a vida inteira do homem.
Antes da sociedade, antes da família, antes das artes e do conforto, antes das belas rendas e sedas que constituem o sonho da leitora assídua deste jornal, antes das valsas de Strauss, dos Huguenotes, de Petrópolis, dos landaus e das luvas de pelica; antes, muito antes do primeiro esboço da civilização, toda a civilização estava em gérmen na mulher. Neste tempo ainda não havia pai, mas já havia mãe. O pai era o varão adventício, erradio e fero que se ia, sem curar da prole que deixava. A mãe ficava; guardava consigo o fruto do seu amor casual e momentâneo, filho de suas dores e cuidados; mantinha-lhe a vida. Não desvie a leitora os seus belos olhos desse infante bárbaro, rude e primitivo; é talvez o milionésimo avô daquele que lhe fabricou agora o seu véu de Malines ou Bruxelas; ou — provável conjetura! — é talvez o milionésimo avô de Meyerbeer, — a não ser que o seja do Sr. Gladstone ou da própria leitora. Se quereis procurar a mulher, é preciso ir até lá, até esse tempo, d'ogni luce mutto, antes dos primeiros albores. Depois, regressai.
Vinde, rio abaixo dos séculos, e onde quer que pareis, a mulher vos aparecerá, com o seu grande influxo, algumas vezes maléfico, mas sempre irrecusável; achá-la-eis na origem do homem e no fim dele; e se devemos aceitar a original teoria de um filósofo, ela é quem transmite a porção intelectual do homem.
Assim, amável leitora, quando alguém vier dizer-vos que a educação da mulher é uma grande necessidade social, não acrediteis que é a voz da adulação, mas da verdade. O assunto é decerto prestado à declamação; mas a idéia é justa. Não vos queremos para reformadoras sociais, evangelizadoras de teorias abstrusas, que mal entendeis, que em todo caso desdizem do vosso papel; mas entre isso e a ignorância e a frivolidade, há um abismo; enchamos esse abismo. A companheira do homem precisa entender o homem. A graça da sociedade deve contribuir para ela mais do que com o influxo de suas qualidades tradicionais. Enfim, é preciso que a mulher se descative de uma dependência, que lhe é imortal, que não lhe deixa muita vez outra alternativa entre a miséria e a devassidão.
Vindo à nossa sociedade brasileira, urge dar à mulher certa orientação que lhe falta. Duas são as nossas classes feminis, — uma crosta elegante, fina, superficial, dada ao gosto das sociedades artificiais e cultas; depois a grande massa ignorante, inerte e virtuosa, mas sem impulsos, e em caso de desamparo, sem iniciativanem experiência. Esta tem jus a que lhe dêem os meios necessários para a luta da vida social; e tal é a obra que ora empreende uma instituição antiga nesta cidade, que não nomeio porque está na boca
de todos, e aliás vai indicada noutra parte desta publicação.
A ocasião é excelente para uns apanhados de estilo, uma exposição.
grave e longa do papel da mulher no futuro, para uma dissertação acerca do valor da mulher, como filha, esposa, mãe, irmã, enfermeira e mestra, tudo lardeado dos nomes de Rute e Cornélia, Récamier e a
Marquesa de Alorna. Não faltaria dizer que a mulher é a estrela que leva o homem pela vida adiante, e que principalmente as leitoras d’A Estação merecem o culto de todos os espíritos elegantes. Mas estas coisas subentendem-se, e não se dizem por ociosas. Baste-nos isto: educar a mulher é educar o próprio homem, a mãe completará o filho.

Texto-fonte:
Obra Completa, Machado de Assis,
Rio de Janeiro: Nova Aguilar, V.III, 1994.
Publicado originalmente em A Estação, Rio de Janeiro, 15/08/1881.

Crônicas de Segunda Na Usina:O Cão o jovem, e o caminhante:


E lá vou eu para minha caminhada matinal de Domingo, para manter o foco no hoje, e manter a quietude do espirito em sintonia com o corpo.
Mas como tudo no eterno viver é uma surpresa; Ontem não foi diferente;
Ao abrir o meu portão neste pedaço do paraíso, me deparo com uma sena que por lá já é comum, mais que ainda incomoda profundamente a minha inquieta alma.
Deparo-me com Um cão da raça, Show Show, repousando o seu desengano em um olhar triste e vazio, daqueles que só o abandono pode causar; Ai, eu me pergunto, como pode existir seres de sentimentos tão perversos, em relação à vida alheia, ao seu redor.
O primeiro impulso é vou pegar para criar, mas ai lhe bate a dura realidade, que se você fizer isso você não para nunca mais, porque todos os dias as boas almas destes seres que somos nós, ditos racionais desovam sua desilusões, neste lugar que lhes parece tão distante e que certamente eles nunca mais passaram ali novamente, como se bastasse para manter à sua consciência tranquila. Há desculpe, como se alguém capaz de um ato desses tivesse consciência.
Observando o Cão, pude perceber que ele estava com as duas orelhas machucadas, e num gesto sagrado de amor para com seu Cão há boa alma que o abandonou, teve o cuidado de colocar benzocreol, para conforta à sua dor; O que é a mesma coisa que você se propor a cuidar de um ser humano com conjuntivite por uma semana e depois joga-la no abismo.
Pelo menos ela vai ter uma bela visão da ultima paisagem da sua existência.
E lá vou eu degustando aquele olhar desolador em minha serena caminhada, pois parecia que tudo naquele domingo se resumiria aquele contraditório do dia, mas sempre existe algo, há, mas no seu caminho.
Seguindo eu naquele deserto da floresta no come calmo deserto da Ilha, até perceber que logo há frente tinha um jovem, e qual não foi a minha surpresa ao perceber, que tínhamos compartilhado do mesmo pensar que estaríamos às sós naquela imensidão do nada da ilha.
Ao me aproximar pude perceber que ele repousava sobre um galho da arvore;
Não ele não repousava seu corpo naquele galho, e sim uma imensa carreira de pó.
E como sempre fiz em relação às escolhas de cada um, lhe cumprimentei, e segui em frente em minha caminhada, mas era impossível passar indiferente aquele mesmo olhar de desencanto que unia aquele Cão e aquele jovem, na mesma luta pela sobrevivência diante as condições impostas a revelia dos seus desejos.

E inevitavelmente me veio à fatídica reflexão de que cada um destila suas desilusões da melhor forma possível, e que em quinze minutos de minha caminhada na imensidão do interminável verde da ilha, lá estava a dura realidade, do negro desejo de sobreviver daquele Cão, e há ilusão branca daquele jovem, e em mim a doce certeza da nossa grande hipocrisia de acharmos que somos algo mas que orgulho e pó.

D'Araujo.

Crônicas de Segunda Na Usina: Boi de Piranha no País da Amnésia:


Depois dos aliados darem um recado na câmara dos deputados negando a urgência no projeto que o governo dava como favas contadas.
Não teve alternativa se não aceitar a profecia do Jucar, de acalmar o Boi de piranha e convencer ele a aceitar o sacrifico.
Para se jogar no Rio de águas turvas que se tornou a nossa politica.
Tudo bem, que ele o Cunha, jamais vai ter coragem de entregar os seus comparsas congressistas como vinha ameaçando fazer, pois ele sofreria tanta condenação da justiça que ia acabar não sobrando muita coisa do que ele conseguiu arrecadar com tanto mérito de articulação.
Por isso é bom todos ficarem de olhos bem abertos, pois ele não iria se jogar assim de mãos abanando.
Será que agora ele deixa de ser culpado, no processo de cassação.
E o STF, vai condena-lo pelos crimes que ele acabou de confessar com a renuncia.
E se o for, certamente terá de devolver todo o dinheiro que circulou nas contas da suíça do dia da abertura até a data da condenação, pois se foi adquirido de forma ilegal tem que ser devolvido de preferencia corregido.
Ou será que vamos ver mais um condenado ficar com a propriedade do roubo.
Mais eu não consigo compreender por mais que eu mim esforce, é como um presidente de um partido e então vice-presidente da republica, nunca conseguiu identificar os seus correligionários e companheiros de partido, assim como aqueles a quem ele se aliou para governar nossa Pátria nunca percebeu que tinha dinheiro sujo nas respectivas campanhas, eu me pergunto como é que este mesmo cidadão agora como presidente em exercício vai controlar os desmandos dos seus comandados e cuidar com esmero do dinheiro publico.
Fica-se bem claro que ele também foi contaminado com o terrível vírus da amnésia lulista. (Não sei, Não vi, Não conheço).
E por falar em amnésia, por onde anda aquele pessoal do vamos pra Rua.
E seus panelaços, Será que eles já se deram por satisfeito pelo que conseguiram. A final o nosso país depois que o terrível pessoal do PT deixou o poder nós temos prosperado como nunca, pois apesar de um rombo gigantesco nas contas publicas este ano e o governo acabar de anunciar um buraco sem fundo pros próximos anos,
Ele concedeu um generoso aumento para os servidores da justiça, e uma anistia de seis meses nas dívidas dos estados.
Liberou uma verba emergencial para que os seus irmãos do partido do Estado do Rio, consiga proteger os gringos e financiadores do seu sonho alucinado de poder, que estão vindo prestigiar os jogos olímpicos e se deliciar das nossas hospitalidades.
E como sempre parece que o nosso presidente em exercício nem se deu conta ou o seu ego é maior do que a própria realidade ao seu redor que ele finge não se dar conta que ele virou Boi de piranha dos abutres alienados pela usura de abocanhar o patrimônio publico, pois ele ficará encarregado de fazer o serviço sujo, pois já avisou que vai privatizar tudo que for possível, já aumentou o salário daqueles que podem mante-lo, no poder.
Para deixar o caminho livre para a gloria do seu sucessor, que a oposição do últimos que governaram juram se eleger.


E como diz o cara, Vamos lá Ademário.

Aprenda como se perdoar - Osho:




É possível que duas pessoas num relacionamento sejam más uma para com a outra?” Sim, isso é o que está acontecendo por todo o mundo. Ser bom é muito difícil. Você não é bom nem para si mesmo!
Como você pode ser bom para outra pessoa? Você nem mesmo ama a si próprio! Como você pode amar outra pessoa? Ame a si mesmo, seja bom para si mesmo.
Os seus assim chamados santos têm lhe ensinado a nunca amar a si mesmo, a nunca ser bom para si mesmo. Seja duro consigo mesmo! Eles têm lhe ensinado a ser delicado para com os outros e duro para consigo mesmo. Isso é um absurdo.
Eu lhe ensino que a primeira e mais importante coisa é ser amoroso para consigo mesmo. Não seja duro; seja delicado. Cuide de si mesmo. Aprenda como se perdoar, cada vez mais e novamente; sete vezes, setenta e sete vezes, setecentos e setenta e sete vezes. Aprenda como perdoar a si próprio. Não seja duro; não seja hostil consigo mesmo. Assim você irá florescer.
Nesse florescimento você atrairá alguma outra flor. Isso é natural. Pedras atraem pedras; flores atraem flores. Assim há um relacionamento que possui graça, que possui beleza, que possui uma bênção nele.
Se você puder achar um relacionamento assim, seu relacionamento crescerá para uma oração; seu amor se tornará um êxtase e através do amor você conhecerá o que é o divino.

Osho