sexta-feira, 23 de junho de 2017

Sexta Na Usina: Poetas da Rede: Raúl Ferrão:RIO DOS MEUS POEMAS:


Fui ver o rio pela manhã.
O cheiro a maresia brindou a minha chegada.
Um arrepio de prazer percorreu

esta embalagem de sonhos 

com que me visto e a que chamam poeta.



Bom dia Rio dos meus poemas.



Como eu queria 

ter um amor feito rio, 

Como eu queria amar no infinito

e ainda lá estar agora
envolto nos seus beijos e abraços.

É na varanda deste Tejo 
que entrego ao Rio as minhas lágrimas.
E peço aos ventos que me afagam
que te levem, tristeza, para bem longe de mim.

Vai-te embora tristeza por favor.
Quero ficar só.
Deixa-me só neste meu rio de poemas.
Deixa-me só como um barco abandonado
Deixa-me só na minha maré vazia
Deixa-me fazer parte de mim finalmente 
No meu esteiro de morte assim deitado

Deixa-me, tristeza em forma de gente.
Deixa-me sem piedade, nem dó.
Que a solidão é menos triste
que estar contigo e sentir-me só.

Raúl Ferrão

Sexta Na Usina: Poetas Da Rede: van Oliveira Melo:TORTURA:


Olho nas águas escuras a correnteza que vagueia

Carregando o lixo das ilusões em direção ao mar

Onde desemboca imperfeições que me fazem chorar

As derradeiras lágrimas que me improvisam e me cerceiam...



Sento-me no alto de uma pedra... O rio parece infinito!

As horas perambulam vazias e eu ali, solitário

Assistindo ao desfecho crônico de mais um dia

E uma pergunta sem resposta entravada na mente...

Posso eu mesmo perdoar-me? De repente, chuva... estou livre!

Sexta Na Usina: Poetas Da rede:Wilson De Jesus Costa:O telefone:


hoje, o telefone ficou em silêncio
ela não ligou, de capricho, não ligarei.

é noite, tudo muito quieto

sinto falta de sua voz dizendo:

'não me ligou amor?'

mas resisto. não vou ligar.

vou dormir. prefiro sonhar

sonhar é estar perto do real...

quando o telefone tocar

responderei com voz sonolenta 

dizendo estar cansado

não falarei com ela

serei durão como os fortes
afinal sou guerreiro
vencedor em todas batalhas
vou ficar elucubrando
afinal se ela não me ligou...
não quer falar comigo, e daí?
medito. conto até três
apanho o telefone
não resisto.
vou ligar pra ela.
Wilson de Jesus Costa

Sexta Na Usina:Poetas Da Rede:Júlio César Benjamin: JANELAS:



Janelas não são

janelas-

são os meus olhos

escancarados

que se escorrem para o mundo

são os meus olhos

que se fecham pra não ver.



Janelas-estas minhas imensas

Janelas
são portais magníficos
que dão para os sete ventos,
para o Setestrêlo,
para as Plêiades
e para dentro de tudo o que eu sou.

As minhas janelas
consomem o Infinito
e devolvem-me toda a paz de que
preciso
flutuando em líquido e doce amor.

Sexta Na usina: Poetas da Rede:Edson Moreira Costa:GAMAR:



8 de janeiro de 2013 13:11

Outra vez nos entregamos, com ardor, os mesmos pássaros cantavam lá fora, mais uma vez nos amamos ! E foi muito calor, eu te amo, e você só diz que me adora;

Trocamos juras de amor! Verdades e mentiras, meias palavras, juramos amor eterno e... Mais uma vez tivemos de nos despedir, eita amor bandido, que não finca raízes, um tesão que dá asas. Um amor, poluído, desconfiado, mas delicia de sentir.

E assim misturamos amores e desencontros, pegas, regaços e amores profanos, não posso me livrar dessa prisão de seu ventre, nem posso me livrar da chave de suas pernas e tronco e não posso cair de seus galopes, pois assim eu te amo.

Na mistura de nossos suores, uma escalada bendita, no entrelace de nossos corpos..nús, amor a queimar, gemidos que ensurdecem os silêncios, amor infinito, invado seu corpo, como um naufrago que nem sabe nadar.

Eu sinto os teus lábios percorrendo o meu corpo, como um leve resfriar que esquenta meu sexo, tua voz dengosa sussurrando seu gozo, balbucia impropérios e palavras sem nexo.

Teus olhos incisivos me deixam corpo e alma nua, invades meu eu sem respeito a minha intimidade, ufa, a gota d’agua, vem que esse corpo e vida, é propriedades sua, me pega, consome, me ama me queira, me coma, me traga.

Em mãos que acariciam lugares, que roubam de mim me suspiros de tesão! Depois de amar, rimos de tudo e de coisa alguma... acaricio seus seios , misturamos lágrimas e sorrisos, a distancia nos afasta, mundo cão , mesmo de longe, em palavras e sonhos falamos de nossos anseios...(Edson Costa) 22/10/2012














Link para adquirir o Livro: Calabouço contos e outros:
http://24.233.183.33/cont/login/Index_Piloto.jsp?ID=bv24x7br