quarta-feira, 28 de junho de 2017

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede: Ju Loren: SEU PERFUME:



O sentimento mais lindo

é aquele em que quando 
entro no meu jardim
percebo que você esteve aqui,
deixou sua essência,
em forma de carinho,
partiu em seguida, 
mas deixou o seu perfume
para acariciar minha alma,
com o cheiro de jasmim

Ju Loren.

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede:Lua Marim:





Nosso querer é tão intenso
que nos perdemos um dentro
do outro quando estamos fazendo
amor.
A intensidade desse querer nos
faz viajar em fantasias , as quais
nossos corpos se correspondem 
e sentimos as nossas caricias mais
ousadas mergulhar no jorro intenso
do nosso prazer.

Lua Marim@direitos autorais

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede: Fátima Pereira:TOCA-ME:



Sentes?

Minha mente é rodopio
Meu corpo fera com cio
Toca-me!
Solta o timbre adormecido em mim 
Assim, sente-me
Com tuas mãos de sul a norte
Um dedilhar ritmado e forte 
Rompe as cordas deste bandolim….


Toca
Um concerto inacabado e lento
Meu instrumento pela noite dentro
Façamos ritmo da euforia 
Tu és refrão 
Eu melodia
Compõe em mim com sofreguidão
E do meu corpo faz sinfonia.

Move-me
Quero combustão na cama
Teu pavio explodir em minha chama
Ao ritmo da música que a dois ouvimos 
Este prelúdio que em uníssono sentimos.

Percorre
Meus vales, labirintos e montes
Sacia a sede das minhas fontes 
E contigo, faz-me galgar lua e sois
Ir além dos horizontes 
Na promiscuidade de teus lençóis…

.
Pereira, Fáttima
“Poesia às Avessas”.(2014)
Obra Reg. I.G.A.C.

Quarta Na Usina Poetisas Da Rede: Hilda Hilst:




"Aflição de ser eu e não ser outra.
Aflição de não ser, amor, aquela
Que muitas filhas te deu, casou donzela
E à noite se prepara e se adivinha
Objeto de amor, atenta e bela.

Aflição de não ser a grande ilha
Que te retém e não te desespera.
(A noite como fera se avizinha)

Aflição de ser água em meio à terra
E ter a face conturbada e móvel.
E a um só tempo múltipla e imóvel

Não saber se se ausenta ou se te espera.
Aflição de te amar, se te comove.

E sendo água, amor, querer ser terra."

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede: Adelia Prado: Com licença poética:




Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo.  Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
— dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.


Adelia Prado.

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede: Elvira Joana cocco:SI TE TENGO:


Si te tengo conmigo se acabaron mis tristezas
me embriaga la alegría..ya no siento más las penas.

Si te tengo a mi lado..no hay lágrimas ni llantos
solo la dicha eterna de sentirme bien amada.

Despierto muy de mañana..contigo aquí a mi lado
los tibios rayos del sol..se esparcen sobre la cama.

Tus ojos dulces me miran..me dicen cuanto me amas
y allí muy acurrucados.. extasiados nos quedamos.

Y las horas van pasando.. ardiente amor que renace
deseando que éste momento a tu lado nunca acabe .

Elvira Juana Cocco
Buenos Aires - Argentina
03 / 07 / 2013
Derechos reservados de autor
Se você tenho


Se te tenho comigo se acabaram minhas tristezas
Me embriaga a alegria.. Já não sinto mais as penas.

Se te tenho ao meu lado.. Não há lágrimas nem gritos
Só a essa eterna de me sentir bem amada.

Acordado muito de amanhã.. Com você aqui ao meu lado
Os reservas raios do sol.. Espalham-se sobre a cama.

Seus olhos doces me olham.. Dizem-me que me amas
E aí muito acurrucados.. Ficamos extasiados.

E as horas vão passando.. Ardente amor que renasce
Desejando que este momento ao seu lado nunca acabe.

Elvira Joana cocco
Buenos Aires-Argentina
03 / 07 / 2013
Direitos reservados de autor