quarta-feira, 12 de julho de 2017

Quarta Na Usina: Poetisas Da rede:Rosely Andreassa :APENAS:


Quero um par de mãos atreladas as minhas,

incitando-me a romper as fobias, arrojar-me
para a vida...
Necessito de um novo rumo, abolir o exílio no
qual encarcerei meu coração...
Deveras as portas descerradas e a alma cativa
em um corpo liberto.
Anseio em aliviar o fulgor que transpassa os poros,
afogueando a pele, inquietando a solidão.
Careço de um novo recomeço,extirpar meus temores,
abraçar a vida, breve e imprevista por vezes ceifadas,
apáticas e desiludidas...
Sonhos interrompidos, as lembranças no vazio, o presente
martírios..
Hoje quero viver, exaurir os meus silêncios, extravasar toda
a ternura da lua em meu olhar...
Dissipar minhas fragilidades, reaprender a amar...
Permitir que as feridas cicatrizadas não tornem a regressar.
Sou uma andorinha liberta, a procura de um ninho para
me aninhar, ser livre para para revoar,doar meus carinhos para alguém que saiba amar....
Rosely Andreassa 02/02/2015
t 238 Todos os direitos reservados

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede: Lua Marim:



Nosso querer é tão intenso
que nos perdemos um dentro
do outro quando estamos fazendo
amor.
A intensidade desse querer nos
faz viajar em fantasias , as quais
nossos corpos se correspondem 
e sentimos as nossas caricias mais
ousadas mergulhar no jorro intenso
do nosso prazer.

Lua Marim@direitos autorais

Pensamento do dia.




Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede:Leda AO Franco:O tempo:



O tempo não cura assim como não apaga 


a dor deixadas por feridas mal curadas 
O tempo não leva amigos e amores pelo contrario
ele fortalece a amizade perpetua o amor
Sincero e verdadeiro

O tempo não apaga lembranças porque 
Ela esta marcando para sempre a sua vida
a minha vida as nossas vidas 
O tempo já não mexe comigo

Nós fizemos um trato
Eu não ligo que ele passe 
E ele não liga que eu fique 
E quando ele passa só traz
Não leva mais .

(Leda Ao Franco) !4/11/2014
À convite do poeta Lex Oliveira , para uma difusão poética, cumprindo as regras deste sarau poético, publicar 1 poema durante 4 dias consecutivos. Em cada publicação convidar 4 amigos , desafiando- os a fazerem o mesmo. Publico hoje meu terceiro poema e convido Barão da Mata,Nuunes Barbara,Antonio Antonio D'Araujo Silva Edson Moreira Costa-POESIAS

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede: Natalie Marie Smith:


Así que entiérrame en el fondo de tu memoria

hasta que su triste sombra me desvanezca

y convierta mi voz en el silencio que odias

para que huya de tu perfecta existencia,

pero no digas que fue en vano lo que sentimos

porque tu amor es lo mas bello que he tenido.




Então me enterrar no fundo de sua memória até 
que seu triste sombra me desvanecem-se e tornar-se 
minha voz no silêncio que você odeia fazer você fugir 
de sua existência perfeita, mas não diga que foi em 
vão que nós sentimos por seu amor é o mais bonito que já tive. 












Link para adquirir o Livro: Calabouço contos e outros:
http://24.233.183.33/cont/login/Index_Piloto.jsp?ID=bv24x7br

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede:Maria Clara da Costa: Nossos Entrelaçados Ais:



O brilho da lua timidamente acaricia o vento, 
roça minha pele,
balança saudades latentes,
decifra lamentos, 
planta sonhos,
desperta desejos que voam como pétalas entre 
jardins perfumados de girassóis.


Em cada murmúrio do silêncio,

a lembrança do teu terno olhar

(que ainda mora comigo),

vem na força das marés orvalhadas de luar, 

na brisa do verbo,

no feitiço de estrelas cadentes.



Descubro que ter saudades tuas

é ter saudade de mim,

do impossível desejo de voltar atrás...



é ter saudade daquele sonho que ficou no cais,

apesar de todos os nossos entrelaçados ais...













Link para Download do Manual Prático de Bioga;

Quarta Na Usina: Poetisas Da Rede: Géssica Bueno:




Ninguém vê

ninguém anda mais
longe dos segredos do céu
se afastam da luz que chega como linha certeira
Escondo a ponta dos dedos na varanda escura
como uma estrela clandestina
me afasto das psicodelias humanas confusas
como um segredo
não posso ser exposta
O fardo pesado faz as esguias do coração cortarem
poderia construir um universo
e o mundo poderia desaparecer
porque ninguém sabe o que se revela atrás dos lentes latentes
ninguém anda mais
não olham as estrelas em forma de relógio
avisando que o dia está próximo
mas ninguém vê
ninguém anda mais.