terça-feira, 13 de agosto de 2013

Fernando Pessoa: A Nada Imploram.




A nada imploram tuas mãos já coisas,
Nem convencem teus lábios já parados,
No abafo subterrâneo
Da úmida imposta terra.
Só talvez o sorriso com que amavas
Te embalsama remota, e nas memórias
Te ergue qual eras, hoje
Cortiço apodrecido.
E o nome inútil que teu corpo morto
Usou, vivo, na terra, como uma alma,
Não lembra. A ode grava,

Anônimo, um sorriso.

3 comentários:

  1. Olá!
    Bela escolha,parabéns autor como Fernando Pessoa e outros,nos deixa sem palavras.
    Agradeço por me adicionar no Google+,aqui já estou a te seguir.
    Felicidades.
    http://www.celiamariadesousarrudajacobino.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quer isso, e obrigado por me seguir é uma honra.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir